terça-feira, 14 de abril de 2009

Entrevista com Mahmoud Ahmadinejad, parte 3

"Se uma tecnologia é benéfica, todos deveriam tê-la. Se não é, ninguém deveria. Como pode os Estados Unidos terem 5.400 ogivas nucleares e a Alemanha não ter nenhuma? E nós não podemos nem mesmo buscar o uso pacífico da energia nuclear? Nossa lógica é totalmente clara: direitos iguais para todos. A composição do Conselho de Segurança e o veto de seus membros permanentes são consequências da 2ª Guerra Mundial, que terminou há 60 anos. As potências vitoriosas devem continuar dominando a humanidade para sempre, elas devem constituir o governo do mundo? A composição do Conselho de Segurança deve ser mudada."


O presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad falou à Spiegel sobre o que ele espera do presidente dos EUA Barack Obama, por que a nova estratégia dos EUA para o Afeganistão está errada e por que o Irã deve ter um lugar no Conselho de Segurança da ONU. A entrevista será publicada pelo UOL Notícias em três partes, em três dias consecutivos. Na primeira parte da conversa, o presidente iraniano disse que "Obama precisa transformar suas palavras em ações". Em seguida, Ahmadinejad questionou a ação norte-americana no Afeganistão e propôs a diminuição das ações militares. Confira abaixo a última parte da entrevista.

Spiegel: O senhor se opõe às nações mais importantes do mundo em um dos principais conflitos internacionais. O Irã é altamente suspeito de construir uma bomba nuclear sob o pretexto de realizar pesquisas civis. Apenas recentemente, o presidente Obama alertou quanto a esse perigo real durante visita à Europa. Existem quatro resoluções da ONU pedindo que o Irã pare com suas atividades de enriquecimento de urânio. Porque o senhor não atende a esses pedidos de uma vez por todas?

Ahmadinejad:
O que você quer dizer com isso?

Spiegel: Presidente, queremos dizer que o mundo está esperando um sinal de vocês, que estamos esperando um sinal. Por que o senhor não suspende o enriquecimento de urânio, pelo menos temporariamente, estabelecendo assim o alicerce para o começo de negociações sérias?

Ahmadinejad:
Essas discussões estão ultrapassadas. O tempo para isso já foi. Os 118 membros do Movimento Não-Alinhado nos apoiam unanimemente, assim como os 57 Estados membros da Organização da Conferência Islâmica. Se eliminarmos a duplicação entre os dois grupos, temos 125 países que estão ao nosso lado. Se poucos países se opõem a nós, você certamente não pode afirmar que é o mundo inteiro.

Spiegel: Estamos falando da Europa e dos Estados Unidos, não somos apenas um político que quer se encontrar com o senhor. Políticos italianos experientes o evitaram na conferência da ONU em Roma no ano passado.

Ahmadinejad:
Nós vemos isso também, é claro. Mas estamos dizendo que a Europa não é o mundo inteiro. Por que você acredita nisso? Além do mais, eu nem mesmo queria encontrar os políticos italianos.

Spiegel: Mesmo que o senhor se recuse a acreditar, o organismo internacional mais importante, o Conselho de Segurança das Nações Unidas, quase que por unanimidade se opõe ao senhor. Não apenas as potências do Ocidente, mas também a China e a Rússia já aprovaram sanções contra o Irã.

Ahmadinejad:
Permita-me esclarecer as coisas, tanto legalmente quanto politicamente. Pelo menos dez membros do Conselho de Segurança da ONU...

Spiegel: ... que inclui, além dos membros permanentes, os EUA, a Rússia, a Grã-Bretanha, França e China, dez representantes eleitos com base num princípio de rotatividade...

Ahmadinejad:
... diseram-nos que só votaram contra nós por causa da pressão americana e britânica. Muitos disseram isso nesta mesma sala.
Qual é o valor de um consentimento sob pressão? Consideramos que isso seja legalmente irrelevante. Falando politicamente, acreditamos que este não seja o jeito certo de administrar o mundo. Todos os povos precisam ser respeitados, e precisam ter os mesmos direitos garantidos.

Spiegel: Que direito tem o Irã de se sentir excluído?

Ahmadinejad:
Se uma tecnologia é benéfica, todos deveriam tê-la. Se não é, ninguém deveria. Como pode os Estados Unidos terem 5.400 ogivas nucleares e a Alemanha não ter nenhuma? E nós não podemos nem mesmo buscar o uso pacífico da energia nuclear? Nossa lógica é totalmente
clara: direitos iguais para todos. A composição do Conselho de Segurança e o veto de seus membros permanentes são consequências da 2ª Guerra Mundial, que terminou há 60 anos. As potências vitoriosas devem continuar dominando a humanidade para sempre, elas devem constituir o governo do mundo? A composição do Conselho de Segurança deve ser mudada.

Spiegel: O senhor se refere à Índia, Alemanha, África do Sul? O Irã também deveria ser um membro permanente do Conselho de Segurança?

Ahmadinejad:
Se as coisas fossem feitas com justiça no mundo, o Irã também teria de ser um membro do Conselho de Segurança. Nós não aceitamos a ideia de que um punhado de países veja a si mesmo como os donos do mundo. Eles deveriam abrir os olhos e reconhecer as condições reais.

Spiegel: Essas condições reais incluem sua recusa em abandonar o programa nuclear apesar da pressão internacional. Isso significa que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e seu diretor geral, Mohamed El-Baradei, pode desistir da tarefa de estabelecer negociações com o Irã? O enriquecimento do urânio não será interrompido sob nenhuma circunstância?

Ahmadinejad:
Acredito que eles já chegaram a essa conclusão em Vienna. Por que nos tornamos um membro da AIEA? Para que pudéssemos usar a energia para fins pacíficos. Quando um país se torna membro de uma organização internacional, ele só tem deveres, ou também tem direitos?
Que assistência recebemos da AIEA? Ela nos forneceu alguma tecnologia ou conhecimento? Não. Mas de acordo com seus estatutos, ela teria de fazer isso. Mas não, simplesmente executou as instruções vindas dos Estados Unidos.

Spiegel: Com todo o respeito, presidente, o Irã escondeu, enganou e deu informações falsas, o que levantou as suspeitas do mundo todo.
Infelizmente, a suspeita de que o senhor está abusando de seus direitos e desenvolvendo uma bomba secretamente não foi até agora descartada.

Ahmadinejad:
Onde é que nós enganamos? Essa é uma grande mentira! Nós cooperamos com a Agência de Energia Atômica. E além disso, a AIEA não foi fundada para que as potências nucleares se desarmassem? Onde estão os relatórios que documentam quem foi desarmado, e em que extensão?
Isso simplesmente não aconteceu. Estamos preocupados, e profundamente desconfiados.

Spiegel: O mundo não confia no senhor, e a maior preocupação do mundo é de que o senhor esteja construindo a bomba, porque se sente cercado de potências nucleares, os Estados Unidos, a Índia e o Paquistão, e não porque Israel possui a bomba.

Ahmadinejad:
Não temos interesse em construir uma arma nuclear. Nós enviamos milhares de páginas de relatórios à AIEA e possibilitamos milhares de horas de inspeção. Câmeras da AIEA monitoram nossas atividades. Quem é perigoso, e de quem os inspetores deveriam desconfiar? Daqueles que secretamente construíram a bomba, ou de nós, que cooperamos com a IAEA?

Spiegel: Certamente não se pode falar de uma vontade genuína de cooperar de sua parte. O diretor geral El-Baradei disse isso repetidas vezes em nossas conversas e isso também está documentado em relatórios públicos da AIEA.

Ahmadinejad:
Permita-me fazer duas observações finais em relação a essa questão nuclear. Primeiro, enquanto não houver justiça, não poderá haver solução. Não é possível medir o mundo com dois parâmetros - esse foi o grande erro de Bush. Os americanos não deveriam cometer o mesmo erro novamente. Nós dizemos: estamos dispostos a cooperar sob condições justas. As mesmas condições, e num campo nivelado. A segunda observação diz respeito aos defensores da guerra e aos sionistas...

Spiegel: ... seu eterno inimigo de conveniência...

Ahmadinejad:
... cuja existência se alimenta da tensão e que enriqueceram com a guerra. E há também um terceiro grupo, os intolerantes, aqueles que estão interessados apenas no poder. O maior problema de Obama é a política interna. Por um lado, os EUA precisam do Irã e devem se realinhar de uma nova maneira. Por outro lado, o novo presidente dos EUA está sob pressão desses grupos. Decisões corajosas são necessárias, e a bola está na quadra de Obama.

Spiegel: Até recentemente, suas visões sobre os EUA incluíam a convicção de que um homem negro jamais pudesse ser presidente dos Estados Unidos. É possível que o senhor tenha uma imagem equivocada e totalmente distorcida dos EUA?

Ahmadinejad:
Não, não foi assim como você descreveu. Esperamos que as mudanças na política americana tenham uma natureza fundamental, e que muito mais tenha mudado além da cor. E que a política americana seja mais justa, para o benefício da África, Ásia e, principalmente, do Oriente Médio.

Spiegel: O senhor se tornou um dos jogadores políticos mais importantes na região porque se tornou um defensor da causa palestina.

Ahmadinejad:
Estamos defendendo mais do que os direitos básicos dos palestinos oprimidos. Nossa proposta para resolver os conflitos no Oriente Médio é de que os palestinos possam decidir seu próprio futuro num referendo livre. Você acha que é certo que alguns países europeus e os Estados Unidos apoiem o regime de ocupação e o Estado sionista artificial, mas condenem o Irã, simplesmente porque estamos defendendo os direitos do povo palestino?

Spiegel: Você está falando de Israel, um membro das Nações Unidas que foi reconhecido mundialmente há muitas décadas. O que o senhor faria se a maioria dos palestinos votassem por uma solução de dois Estados, ou seja, se eles reconhecessem o direito de existir de Israel?

Ahmadinejad:
Se eles decidissem assim, todos deveriam aceitar essa decisão...

Spiegel: ... e o senhor teria de reconhecer Israel, um país que, no passado, o senhor disse que gostaria de "varrer do mapa". Por favor nos diga exatamente o que o senhor falou e qual o significado disso.

Ahmadinejad:
Deixe-me colocar assim, em tom de brincadeira: por que os alemães causaram tanta confusão no passado, permitindo que esses problemas surgissem, antes de mais nada? O regime sionista é resultado da 2ª Guerra Mundial. O que isso tem a ver com o povo palestino? Ou com a região do Oriente Médio? Acredito que devemos chegar à raiz do problema. Se não consideramos as causas, não pode haver solução.

Spiegel: Chegar à raiz do problema significa varrer Israel?

Ahmadinejad:
Significa exigir os direitos do povo palestino. Acredito que isso seja para o benefício de todos, para o dos EUA, Europa e Alemanha. Mas não queríamos discutir a Alemanha e as relações entre a Alemanha e o Irã?

Spiegel: É sobre isso que estamos falando. O fato de que o senhor nega o direito de existir de Israel é muito importante para as relações entre a Alemanha e o Irã.

Ahmadinejad:
Você acredita que o povo alemão apoia o regime sionista?
Você acredita que poderia haver um referendo na Alemanha sobre essa questão? Se permitissem que um referendo assim existisse, você descobriria que o povo alemão odeia o regime sionista.

Spiegel: Estamos confiantes que não é esse o caso.

Ahmadinejad:
Não acredito que os países europeus seriam tão indulgentes se apenas um centésimo dos crimes que o regime sionista cometeu em Gaza tivesse acontecido na Europa. Por que os governos europeus apoiam esse regime? Eu já tentei explicar isso para você antes...

Spiegel: ... quando discutimos sobre sua negação do Holocausto há três anos [Veja a entrevista realizada em 2006 (em inglês)]. Depois da entrevista, enviamos um filme da Spiegel TV sobre o extermínio de judeus durante o Terceiro Reich. O senhor recebeu o DVD sobre o Holocausto, chegou a assisti-lo?

Ahmadinejad:
Sim, recebi o DVD. Não não quis responder a vocês sobre esse assunto. Acho que a controvérsia sobre o Holocausto não é um assunto para o povo alemão. O problema é mais profundo do que isso. A propósito, obrigado novamente por virem. Vocês são alemães, e tenho os alemães em alta conta.

Spiegel: O senhor tem alguma mensagem para o governo alemão?

Ahmadinejad:
Enviei uma carta para a chanceler Merkel há três anos, na qual eu enfatizava a importância de nossas relações históricas, culturais e econômicas e pedia para a Alemanha exercitar uma maior independência.

Spiegel: O Irã terá eleições presidenciais em 12 de junho. O senhor é considerado o favorito. Acha que vai vencer?

Ahmadinejad:
Vamos ver o que acontece. Nove semanas é muito tempo. Em nosso país, não há vencedores e, portanto, não há verdadeiros perdedores.

Spiegel: Se o senhor for reeleito, será o primeiro presidente da República Islâmica do Irã a apertar a mão de um presidente norte-americano?

Ahmadinejad:
O que você quer dizer?

Spiegel: Senhor presidente, obrigado pela entrevista.

Tradução: Eloise De Vylder

Nenhum comentário: