terça-feira, 21 de abril de 2009

Roseana faz mar de promessas


Na lista, há desde obras da Petrobrás até construção de 73 mil moradias

Eugênia Lopes


A um ano e meio das eleições de 2010, a nova governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB), aproveitou ontem o clima de campanha, na posse do secretariado, para anunciar um mar de promessas. Com apenas 20 meses de governo pela frente, ela prometeu de tudo um pouco: iniciar as obras da refinaria da Petrobrás no Estado, construir uma siderúrgica, reformar hospitais e escolas, aplicar um choque administrativo na área de saúde, construir 73 mil novas moradias, criar o bolsa-universidade, dar melhor salário aos policiais militares, reequipar a Polícia Civil, apoiar a agricultura familiar e incentivar a cultura do Estado.

Confira a lista dos secretários

As promessas de governo serão tocadas junto com 28 secretários de Estado - no governo de Jackson Lago (PDT) existiam 42 secretarias, mas anteontem ela já anunciara a decisão de enxugar a equipe. Roseana pediu ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, que indicasse o secretário de Fazenda, que ficará encarregado de administrar o caixa do Estado.

Segundo a governadora, seu antecessor promoveu uma "gastança desenfreada" e fez uma "verdadeira farra com o dinheiro do povo". Roseana citou como exemplo a pasta da Casa Civil, que, no governo anterior, dispunha de 258 telefones celulares, sem limite de gastos, com contas mensais de R$ 250 mil.

"Por ano, são R$ 3 milhões com conta de celular, dinheiro suficiente para construir uma boa escola ou posto de saúde", observou Roseana.

Lago rebateu as acusações. "Isso é um absurdo. É mentira de gente que se locupletou do Estado durante 40 anos e agora fica inventando essas coisas", disse o governador cassado. Ele também ironizou as promessas feitas por sua sucessora: "A família Sarney ficou 40 anos no poder e nunca fez nada. Nem um pronto-socorro no interior do Estado eles construíram."

CASSAÇÃO

Roseana empossou seu secretariado no Palácio dos Leões, sede do governo do Maranhão, onde Lago ficou aquartelado durante 36 horas, em tentativa frustrada de fomentar uma reação popular à cassação pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Para ampliar a base de apoio na Assembleia, Roseana rachou o PT. Ela nomeou como secretário de Trabalho José Antonio Heluy, um petista com ligações históricas com a família Sarney e com Washington Luiz Oliveira, assessor parlamentar do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Luiz Dulci.

O PT no Maranhão, porém, é presidido pelo deputado Domingos Dutra, um ferrenho opositor de Roseana. Dutra já informou que Heluy deverá ser alvo de um processo no Conselho de Ética do partido.

A nova governadora também conseguiu dividir parte do PDT do ex-governador Lago. Ela levou o ex-prefeito de São Luiz Tadeu Palácio para a Secretaria de Turismo.

Palácio acabou ficando isolado no PDT e decidiu sair do partido. Ele deverá ingressar em uma legenda pequena, provavelmente o PTC. Palácio foi por duas vezes prefeito de São Luís, local onde a família Sarney não vence uma eleição há mais de duas décadas.

A expectativa é de que o cacife eleitoral de Palácio seja aproveitado em parte por Roseana em sua campanha à reeleição, em 2010. Dos 28 secretários da governadora, a metade tem planos políticos e eleitorais para as eleições do ano que vem.

Em seu primeiro dia no palácio, Roseana avisou que seu governo terá "tolerância zero" com o desperdício e a corrupção. Anunciou que fará uma auditoria em todas as contas, contratos e convênios do governo.

?ALIANÇA? COM LULA

No discurso de 20 minutos, a governadora fez questão de lembrar a sua proximidade com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que, segundo afirmou, sempre lhe deu apoio. Citou a refinaria da Petrobrás e a construção de centros de escola técnica como frutos da "aliança".

Apesar de trabalhar para descolar a sua imagem da do pai, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), Roseana fez questão de citá-lo por duas vezes no discurso. "Estamos próximos do início da construção da refinaria da Petrobrás, em Bacabeira, que vai gerar mais de 25 mil empregos. Esta obra só se tornou possível graças a infraestrutura que José Sarney projetou e construiu para o Maranhão", disse ela.

Depois anunciou a criação de três zonas processamento de exportação, um projeto do senador Sarney.

Derrotados em Imperatriz, segunda maior cidade do Maranhão e antigo feudo político do clã família Sarney, Roseana aproveitou o discurso para anunciar várias obras para a cidade, hoje governada pelo tucano Sebastião Madeira.

"Em Imperatriz, o Jackson Lago inaugurou obras inacabadas que trazem risco à população. Vou concluir também o estádio da cidade", prometeu.

Estadão

Nenhum comentário: