sexta-feira, 29 de maio de 2009

Carli Filho renuncia ao cargo após acidente que matou 2


CURITIBA - O deputado estadual do Paraná, Fernando Ribas Carli Filho (PSB), encaminhou na tarde desta sexta-feira, 29, um ofício ao presidente da Assembleia Legislativa, deputado Nelson Justus (DEM), renunciando ao mandato. Carli Filho está internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo depois de se envolver em um acidente, na madrugada do dia 7, em Curitiba, que resultou na morte de dois jovens.


Exames mostraram que o então deputado estava alcoolizado. Com base em testemunhas e no estado em que ficaram os dois carros, a polícia não tem dúvidas também sobre um excesso de velocidade. Com a renúncia cessa a sindicância aberta pela Corregedoria da Assembleia, que poderia resultar na cassação.

Caso ele fosse cassado, perderia o direito de se eleger. Com a renúncia, o deputado perde o direito a foro privilegiado e deve ser julgado na justiça comum.

Carli Filho é acusado de ter provocado o acidente, pois estaria embriagado e conduzindo a 190 km/h. "Precisamos saber a versão dele nesse depoimento", disse o advogado da família, Elias Mattar Assad.

No último domingo, 500 pessoas, entre familiares e amigos, realizaram uma passeata em Curitiba para pedir justiça e pressionar os deputados estaduais a cassarem o mandato de Carli Filho. "Está na hora de dar um basta à impunidade. Queremos justiça pois somos todos iguais e devemos responder pelos nossos atos", disse Cristiane Yared, mãe de Gilmar, um dos jovens mortos no acidente.


Estadão

Um comentário:

Laguardia disse...

Coloquei no meu blog hoje notícia de acidente de automóvel envolvendo uma Promotora do Ministério Público dirigindo embriagas. Felismente não houve vítimas a não ser a própria que se feriu levemente ao bater em um poste.

Além de causar dano ao patrimônio público (o poste) desacatou a policia se recusando a fazer o teste de bafometro e dando voz de prisão aos guardas do alto de sua etílica autoridade de Promotora do Ministério Público.

Não satisfeita, mandou que a Policia Militar rebocasse seu automóvel para a porta de seu prédio tendo o mesmo ficado estacionado na contra mão debaixo de um sinal de parada proibida.

Depois de atendida no Pronto Socorro foi transferida para um Hospital Particular.

Estas " autoridades " agem como se a lei fosse feita apenas para o pov sendo eles seres imunes a lei e acima dela.

Valeu a pressão popular contra este deputado paranaense. Agora o mesmo deve ser exemplarmente punido pela justiça.