terça-feira, 19 de maio de 2009

Fusão Sadia e Perdigão

A criação da Brasil Foods


Em comunicado, companhias detalham união; juntas, elas terão quase 25% das exportações mundiais de aves

Agência Estado e Reuters


SÃO PAULO - A Perdigão e a Sadia confirmaram nesta terça-feira, 19, a união das duas empresas. A segunda será incorporada pela primeira, que passará a se chamar Brasil Foods. A nova companhia deverá realizar uma oferta pública de ações para levantar valor estimado de R$ 4 bilhões, segundo comunicado ao mercado.

A união das companhias, que juntas serão responsáveis por quase 25% do mercado exportador global de aves, se dará por meio de uma complexa operação societária, com a criação de uma outra entidade, a HFF Participações.


Para o negócio se concretizar, os detentores de pelo menos 51% das ações ordinárias da Sadia deverão repassar os papéis com direito a voto que detêm para a HFF. Ao mesmo tempo, a Perdigão terá sua denominação alterada para Brasil Foods, que posteriormente vai incorporar as ações da HFF. A relação de troca, nesse caso, será de 0,166247 ação de emissão da Brasil Foods por cada ação ordinária da HFF.


De acordo com o documento firmado entre as empresas, a incorporação de ações da HFF pela Brasil Foods está condicionada à alienação, pela Sadia, da Concórdia Holding Financeira, que controla banco e corretora de mesmo nome, para outra sociedade de participações.


O comunicado declara ainda que a condição final para a associação é a comprovação, pela HFF, de que é detentora de mais de 51% das ações ordinárias da Sadia.


As ações da Sadia em circulação no mercado serão, depois disso, incorporadas pela Brasil Foods. A relação de troca para os minoritários será de 0,132998 ação ordinária da Brasil Foods por cada ação ordinária ou preferencial da Sadia, equivalente a 80 por cento do valor atribuído aos controladores da empresa, como determinam as regras da Comissão de Valores Mobiliários em caso de alienação de controle.


Conforme as empresas, as ações da Brasil Foods continuarão a ser negociadas no Novo Mercado, ambiente da Bovespa que exige maior grau de governança corporativa e em que hoje está listada a Perdigão.


As empresas informaram que o acordo de associação pode ser rescindido no prazo de 15 dias se as condições incluídas no documento não forem cumpridas.

Os problemas financeiros enfrentados pela Sadia desde o ano passado, após os prejuízos com operações de derivativos, foram o principal estímulo para que as duas empresas finalmente chegassem a um acordo para a fusão.

Durante a história das rivais, foram várias as tentativas de associação, sem sucesso. A mais emblemática ocorreu em 2006, quando a Sadia apresentou uma oferta hostil à Perdigão. A proposta não só foi negada como serviu de estímulo à Perdigão, cujo valor de mercado mais do que dobrou desde então. Hoje, ela garante a posição de acionista majoritário na tão aguardada gigante de alimentos brasileira, que nasce com faturamento anual de R$ 22 bilhões.


Estadão


Conheça os resultados recentes de Sadia e Perdigão e veja o ranking internacional de produtores e exportadores nos segmentos que a nova empresa deve disputar


Perdigão e Sadia, da rivalidade à fusão

Fundadas há mais de 60 anos, Perdigão e Sadia cresceram em paralelo, tornaram-se rivais e agora se unem para criar a maior empresa do setor de alimentos industrializados do Brasil



Nenhum comentário: