sábado, 6 de junho de 2009

Marília: Minha cidade natal, elegemos e fomos traídos novamente



Um em cada quatro membros do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados responde a procedimentos do Supremo Tribunal Federal (STF)
. Quatro dos 15 titulares do colegiado, responsável por avaliar a conduta dos parlamentares, são alvo de ações penais ou inquéritos que tramitam na mais alta corte do país.




Levantamento exclusivo do Congresso em Foco mostra que os deputados Sérgio Moraes (PTB-RS), Wladimir Costa (PMDB-PA), Urzeni Rocha (PSDB-RR) e Abelardo Camarinha (PSB-SP) acumulam 21 processos no STF. As acusações vão de crimes de imprensa, contra o meio ambiente e a ordem tributária a formação de quadrilha ou bando e peculato (veja a lista completa dos processos).

Abelardo Camarinha é o integrante do Conselho de Ética com maior número de pendências judiciais. São 11 no total: quatro ações penais e sete inquéritos. O ex-prefeito de Marília (SP) responde por crime de imprensa, contra a ordem tributária e a Lei de Licitações, formação de quadrilha e prática de incêndio.

O deputado Sérgio Moraes, hoje alvo de grande polêmica dentro do Conselho, responde a duas ações penais em que é réu por crime de responsabilidade, referentes à sua passagem pela prefeitura de Santa Cruz do Sul (RS).

O petebista gaúcho era relator da comissão que avalia a conduta do deputado Edmar Moreira (sem partido-MG), acusado de usar dinheiro público para pagar suas próprias empresas. Moraes foi afastado por dar declarações suspeitas sobre o caso e dizer "não se lixar" para a opinião pública.

Já Urzeni Rocha, que responde a cinco inquéritos no STF, por crimes como peculato e formação de quadrilha, segundo seu assessor de imprensa, estava no interior de Roraima e não podia ser contatado.

O primeiro a assinar a Emenda do Lula III é o ex-prefeito de Marília e deputado federal Abelardo Camarinha, do PSB de São Paulo. Olhem só as credenciais do primeiro da lista:
  • Ação Penal 417 – direito administrativo e direito público/meio ambiente
  • Ação Penal 441 – crime de responsabilidade (durante gestão em prefeitura)/crime da Lei de Licitações
  • Ação Penal 478 – crime contra a honra/crime de imprensa
  • Ação Penal 482 – injúria/crimes eleitorais
  • Inquérito 2503 - crime contra a honra/crimes de Imprensa
  • Inquérito 2623 – crimes eleitorais. Corre em segredo de Justiça
  • Inquérito 2624 – incêndio/quadrilha ou bando
  • Inquérito 2638 – crimes contra a ordem tributária. Corre em segredo de Justiça
  • Inquérito 2672 – injúria/difamação
  • Inquérito 2673 – crime contra a honra/crimes de imprensa
  • Inquérito 2694 – crime da Lei de Licitações
  • Inquérito2702 – crimes eleitorais. Corre em segredo de Justiça
  • Inquérito 2745 – crimes de responsabilidade durante gestão em prefeitura

O deputado afirma que as ações que correm contra ele foram movidas por adversários políticos no período em que foi prefeito de Marília (SP). “São coisas normais dentro de 14 anos que fiquei na prefeitura”. Ele é o número um na lista de apoio ao Lula III.


CORONEL

Um comentário:

Laguardia disse...

Realmente Brasília está atolada em um Mar de Lama. Concordo com o senador que disse que perto da corrupção do atual governo o caso Collor de Mello deveria ter sido julgado pelo tribunal de pequenas causas.

Somente o fato de estarem sendo julgados já deveria inviabilizar a presença destes senhores no congresso nacional, quanto mais no conselho de ética.

Precisamos urgentemente de uma reação mais forte.