quarta-feira, 3 de junho de 2009

Vôo AF 447 da Air France Capítulo 10


As mensagens automáticas recebidas pela sede da Air France, em Paris, indicam que a tragédia do voo 447 se desenhou em apenas 4 minutos. O primeiro sinal de um possível problema a bordo chegou às 23h10 (hora de Brasília) do domingo, dando conta de que o piloto automático do Airbus A330-200 havia se desconectado. As mensagens seguintes apontam para uma sucessão de graves panes em alguns dos principais computadores do jato. O último alerta foi emitido às 23h14: "cabin vertical speed" (cabine em velocidade vertical, na tradução do inglês).

A informação final, dizem investigadores militares, pode ter duas leituras: queda livre ou uma brusca variação de pressão dentro da cabine, ocasionada por uma descida mais rápida do que o comum. Como a tripulação do A330 não fez nenhuma tentativa de comunicação por rádio e nem a companhia aérea recebeu outros alertas, é possível que esse seja um "indício técnico" de que o avião caiu no Oceano Atlântico.

Após dois dias de buscas, destroços foram identificados a 1.200 quilômetros do Recife, na madrugada de ontem, por aviões da Força Aérea Brasileira (FAB). A confirmação da tragédia, a maior da aviação civil internacional desde 2004, coube ao ministro da Defesa, Nelson Jobim, que se reuniu com as famílias das vítimas ontem à tarde em um hotel da zona oeste do Rio. O avião da Air France tinha 228 passageiros - 59 brasileiros, segundo a companhia aérea. Mas havia brasileiros e estrangeiros com dupla nacionalidade. A lista oficial de vítimas deve ser divulgada hoje.

De acordo com Jobim, não foram visualizados corpos. Um rastro de 5 quilômetros de materiais metálicos e não metálicos comprova que se trata do avião da Air France. Jobim ressaltou que as buscas prosseguem numa área de 9.785 km², mas evitou falar em eventuais sobreviventes. "Não trabalho com hipóteses, mas com resultados empíricos", afirmou.

Os primeiros vestígios foram localizados pelo avião R-99 da FAB, dotado de sensores, por volta da 1 hora de ontem. A identificação dessa área de buscas foi possível com base em informações de pilotos da TAM - na noite da tragédia, o voo 8055, que fazia exatamente o trajeto oposto (Paris-Rio), relatou cinco pontos de luz, nas cores laranja e vermelha, a 10 minutos de deixar o espaço aéreo do Senegal. Às 5h37 de ontem, um Hércules C-130 visualizou manchas de óleo no mar. Às 6h49, foi identificada uma poltrona de avião. Às 12h30, o C-130 detectou a linha de destroços.

A sequência das últimas mensagens, obtidas pelo Jornal da Tarde, começou às 23h, 20 minutos antes do horário previsto para o Airbus ingressar no espaço aéreo do Senegal, na costa oeste da África. Por meio do sistema Acars (sigla em inglês para Sistema de Comunicação e Reporte), a tripulação informou por escrito à companhia aérea que atravessava uma área sobre cumulus nimbus - região de instabilidade formada por nuvens carregadas de eletricidade, no interior das quais ocorrem rajadas de ventos e tempestades com possibilidade de relâmpagos. Até então, não havia nada de anormal com o voo.

Dez minutos depois, o Acars dispara uma mensagem automática indicando que o piloto automático havia se desconectado. A ação não é atípica e pode ter sido uma iniciativa dos pilotos ou dos próprios sistemas do avião, que "devolvem" os controles para a tripulação sempre que detectam falhas críticas, como uma divergência de cálculos entre o piloto e o copiloto automáticos. A mudança de comando, ao contrário do que se pode imaginar, não pega a tripulação de surpresa, mesmo porque é quase instintivo para a maioria das tripulações colocar as mãos sobre os controles direcionais - joystick, no caso dos Airbus - durante fortes turbulências.

A mensagem seguinte informa que o fly-by-wire (sistema eletrônico de controles das superfícies móveis do avião) passou para o regime de alternative law - um dos estágios da intrincada rede de "proteção por envelopes" dos Airbus. Segundo um especialista nesse tipo de avião, o indicativo de alternative law aponta para uma degradação dos sistemas informatizados do jato.

Todas as mensagens transmitidas nos minutos seguintes indicam mais falhas em computadores essenciais ao voo. Os Adirus (sigla em inglês para Unidade de Referência Inercial em Voo), por exemplo, fornecem, entre outros dados, orientação espacial aos pilotos. Outro que apresentou pane é o chamado Isis, monitor que mostra à tripulação a velocidade vertical no ar e altitude. Sem esses instrumentos, dizem investigadores militares, os pilotos contariam apenas com parâmetros mínimos para a navegação aérea, mas ainda assim suficientes, ao menos por alguns minutos, para manter o avião estabilizado e voando. A hipótese mais provável aqui é de que, desorientada, a tripulação não tenha conseguido controlar a aeronave, fazendo com que ela perdesse sustentação e caísse 11 mil metros de altitude.

O que ainda é um mistério é por que o A330 entrou nessa situação. O jato é equipado com radares capazes de prever condições meteorológicas adversas na rota e escapar do núcleo de cumulus nimbus, onde a instabilidade é ainda maior.

Diferentes fontes ouvidas pela reportagem afirmam que nenhuma pane reportada seria capaz isoladamente de derrubar o avião.

FAB informa que achou novos pontos de destroços do avião da Air Fance a 90 quilômetros dos primeiros vestígios

BRASÍLIA - O primeiro navio da Marinha, o Grajaú, já chegou na manhã desta quarta-feira, 3, ao local dos destroços do Airbus da Air France, encontrados no Oceano Atlântico, a Nordeste de Fernando de Noronha. Mas, segundo o Comando da Marinha, o navio ainda não conseguiu encontrar os destroços, porque ondas de até 2 metros de altura estão dificultando o trabalho de visualização. O navio Grajaú é de patrulha da Marinha, saiu na terça de Natal (RN) e deveria chegar ao local no meio da tarde de hoje, mas conseguiu antecipar o horário de chegada.

Também nesta quarta, a Força Aérea Brasileira (FAB) informou que achou às 3h48 da manhã mais quatro novos pontos de destroços do Airbus que desapareceu com 228 a bordo. Os novos pontos foram vistos a 90 quilômetros ao sul dos primeiros vestígios. Foram encontrados vários objetos espalhados num raio de cinco quilômetros, uma peça que teria em torno de sete metros de diâmetro, dez pequenos objetos metálicos e uma mancha de óleo com cerca de 20 quilômetros. A peça, segundo Amaral, não foi identificada, mas que pode ser um pedaço da cauda, ou lateral do aparelho.

Segundo o coronel da Aeronáutica Jorge Amaral, da FAB, cinco aeronaves decolaram na madrugada da Base Aérea de Natal para a área onde os destroços foram encontrados. Ao todo, 11 aeronaves estão mobilizadas tanto em Natal quanto Fernando de Noronha. Cinco navios também se deslocam para ajudar nas buscas, sendo que o navio Patrulha Grajaú, da Marinha, deve chegar ainda nesta manhã. Além disso, três embarcações holandesas e francesas já estão na região para auxiliar as buscas.

Em rápida conversa com a imprensa, Amaral negou rumores de que já teriam sido identificados corpos na região. Ele disse, também que a Aeronáutica não tem como afirmar nada a respeito de alterações no plano de voo do avião da Air France, como foi chegou a ser divulgado hoje por um jornal "Ainda não temos como afirmar nada com relação a alteração do plano de voo do avião", disse o coronel.

Empresa recebeu telefonema anônimo sobre voo que ia de Buenos Aires a Paris e checou que era alarme falso

PARIS - A Air France informou nesta quarta-feira, 3, que a companhia aérea recebeu uma ameaça de bomba no último dia 27 de um voo que seguia de Buenos Aires para Paris. Após checagem, segundo o porta-voz da empresa, Nicolas Petteau, o aviso ficou provado que era falso e o avião pode seguir seu destino.

Petteau contou que uma agência em Buenos Aires recebeu um telefonema anônimo avisando que o Voo 415 teria uma bomba. O Boeing 777 da companhia aérea, ainda de acordo com o porta-voz, foi vistoriado pelo serviço de segurança, que não achou nenhum explosivo no seu interior. Em seguida, o avião foi autorizado a deixar a capital argentina.

O ministro da Defesa francês, Hervé Morin, afirmou que não há sinais até agora de atentado terrorista no Airbus da Air France, desaparecido no último domingo com 228 a bordo ao deixar o Rio com destino a Paris. No entanto, ele defendeu que todas as hipóteses devem ser estudadas. Um oficial do Pentágono também afirmou que não há indícios de terrorismo no desaparecimento do Airbus.

SÃO PAULO - Um avião em queda livre com seus sistemas eletrônicos em pane. É isso o que os investigadores já têm certeza de que aconteceu com o A330-200 do voo 477 da Air France. As dúvidas, no entanto, persistem. Clima, granizo e perda do controle estão no centro do mistério sobre o Airbus 330-200, que partiu do Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro, com destino a Paris e desapareceu no Oceano Atlântico. As mensagens automáticas recebidas pela sede da Air France, em Paris, indicam que a tragédia do voo 447 se desenhou em apenas 4 minutos, segundo informa o Estado na edição desta quarta-feira.

Informações de Estadão





Um comentário:

Clausewitz disse...

Pois é, Stênio, muita coisa estranha nesse contexto. Abraço