quinta-feira, 2 de julho de 2009

Coreia do Norte lança três mísseis de curto alcance, diz Seul

SEUL - A Coreia do Norte lançou nesta quinta-feira, 3, três mísseis aparentemente de curto alcance terra-mar da costa oriental do país, em direção ao Mar do Japão, informou o Ministério da Defesa sul-coreano, citado pela agência Yonhap.

O primeiro dos projéteis foi lançado às 17h20 locais (5h20 de Brasília), enquanto o segundo foi disparado às 18h locais (6h da capital brasileira). O terceiro foi lançado horas mais tarde, às 19h50 (7h50 no Brasil). Os mísseis terra-mar lançados foram disparados de plataformas próximas da cidade norte-coreana de Wonsan, disse em Seul uma fonte no Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas da Coreia do Sul.

Observadores de outros países aguardavam a realização de novos testes de mísseis pela Coreia do Norte desde o mês passado, quando o governo do país comunista advertiu a embarcações que evitassem diversas áreas do Mar do Japão onde poderiam ocorrer manobras militares até 10 de julho.

Os serviços da Inteligência da Coreia do Sul já tinham informado no mês passado que o regime comunista estava se preparando para o teste de vários mísseis, incluindo de longo alcance. Analistas militares e de inteligência em Seul e Washington têm buscado indícios de que Pyongyang venha a promover novamente um míssil de longo alcance, mas não acreditam que seja algo iminente.

O ministro porta-voz do governo japonês, Takeo Kawamura, disse nesta quinta em entrevista coletiva que o Japão não descartava a possibilidade de a Coreia do Norte lançar de forma iminente vários mísseis de curto e médio alcance perto do dia 4 de julho, por causa das comemorações da independência dos Estados Unidos.

A Coreia do Norte possui cerca de 600 mísseis de curto alcance, 300 projéteis de médio alcance e promove diversos testes todos os anos. Este ano, porém, os testes passaram a atrair mais atenção porque Pyongyang testou em abril um míssil de longo alcance pela terceira vez na história e, em maio, promoveu seu segundo teste nuclear. O regime também reduziu atividades diplomáticas com outros países, expulsou agentes humanitários estrangeiros e passou a reprimir atividades econômicas vistas como ameaça a sua autoridade.

Autoridades da Coreia do Sul dizem que as recentes ações militares da Coreia do Norte, que também incluem testes de mísseis e ameaças em atacar o Sul, visam provavelmente angariar apoio interno ao líder Kim Jong-il, de 67 anos, enquanto ele prepara o terreno para seu filho mais novo tomar a frente da única dinastia comunista da Ásia.


Estadão

Nenhum comentário: