domingo, 19 de julho de 2009

Os primeiros sinais de vida



Um filme feito a mando de Raúl Castro mostra que, sob o manto da unidade férrea, a ditadura cubana tinha uma cúpula jovem, irreverente e rebelde. Pena. Foram todos presos ou banidos.


O filme que é a sensação do verão cubano foi feito pelo serviço secreto, a mando de Raúl Castro, o irmão mais moço (só tem 78 anos) que em fevereiro do ano passado assumiu o poder na ilha depois que Fidel ficou doente demais para aparecer em público. Editada em duas versões, uma de seis horas e outra de três, a película vem sendo exibida exclusivamente aos filiados do Partido Comunista. Raúl aparece nas primeiras cenas vestido com seu inefável uniforme militar (ele é o chefe das Forças Armadas há meio século). Pede respeito às instituições e regras do país. Fica-se sabendo então que os vilões são os fidelitos, a jovem guarda banida no expurgo de março. O que o irmão em comando pretende demonstrar é que a juventude brilhante, escolhida por Fidel para ser a herdeira da revolução, não passou de um bando de jovens transviados, aproveitadores e, pior, sem respeito pelos velhos comunistas. Uma turma de "conduta indigna", que se deixou seduzir pelo "mel do poder", escreveu o comandante en jefe, de seu leito de enfermo.

Para assistir à exibição, é preciso mostrar a carteirinha de comunista e deixar celulares e câmeras fotográficas do lado de fora. Mas, como um em cada dez cubanos é membro do PC, não há ninguém na ilha que desconheça os detalhes. O filme é o resultado dos três anos em que a polícia secreta grampeou, filmou e espionou os fidelitos. As cenas mais quentes foram feitas em momentos de descontração, em comemorações ou em reuniões para jogar dominó e comer churrasco na chácara de um deles. O clímax é a festa de casamento do cardiologista Raúl Castellanos Lage, em um dos melhores hotéis de Havana. Carlos Lage, primo de Castellanos Lage, era vice-presidente de Fidel e esperava ser mantido no cargo por Raúl Castro e, quando fosse a hora, suceder-lhe. Não foi o que aconteceu. Ele entra macambúzio na festa de casamento, vindo da reunião do partido que definiu a cúpula do regime. Reclama que o novo vice é José Ramón Machado Ventura, de 78 anos, semianalfabeto, fiel aos irmãos Castro desde os anos 50. O chanceler Felipe Pérez Roque, no cargo desde 1999, acrescenta, em tom furioso, que Ventura iria arruinar o país. A título de brincadeira, o primo Castellanos Lage comenta que "a nação ficaria mais bem servida" se os cardiologistas implantassem erroneamente, e de propósito, stents (dispositivos que aumentam o calibre das artérias) nos velhos do PC. Em outra cena, Lage qualifica Machado Ventura de "fóssil vivo" e "dinossauro".

Outra parte do filme é dedicada a Carlos Valenciaga, secretário privado de Fidel e membro do Conselho de Estado, que comemora seu aniversário num salão do Palácio da Revolução. Um mês antes, com ar compungido, Valenciaga tinha anunciado a doença de Fidel Castro - por sinal internado naquele mesmo prédio. Visivelmente bêbado, ele usava o quepe do comandante, de quem parecia zombar. As imagens mostram que do zíper da calça saía, jocosamente, o gargalo de uma garrafa de champanhe. A maior qualidade da fita talvez seja a de mostrar que, apesar de publicamente submissos aos Castro, ocupantes de altos cargos em Cuba podem ter opiniões próprias, ainda que só possam mostrá-las na intimidade. Infelizmente, essa cúpula jovem, irreverente e rebelde foi toda condenada ao ostracismo e alguns de seus integrantes estão na cadeia.

Click para ampliar!



O primo Castellanos Lage, que zombou da saúde dos poderosos e do qual não se conhecem fotos, está na cadeia. Outro preso é Conrado Hernández, dono da chácara na qual os fidelitos se reuniam. Sua carreira como representante dos negócios do País Basco em Cuba se confunde com a ascensão de Carlos Lage e Pérez Roque, dos quais é amigo de juventude. Ele é acusado de trabalhar para o serviço secreto espanhol - ainda que pela posição que ocupava seja mais verossímil que fosse espião do governo cubano. Entre as acusações feitas contra Conrado, está a de perguntar à própria mulher, militar, sobre a saúde de Fidel. Ela também está na cadeia.

A película é uma tentativa de Raúl de reafirmar sua autoridade. Ele não tem o carisma do irmão, carece da legitimidade dada por uma eleição democrática e está acuado pela maior crise econômica desde o início dos anos 90, quando perdeu a mesada da União Soviética. "O expurgo serve para mostrar aos subordinados que, se não demonstrarem a Raúl o mesmo respeito que reservavam a Fidel, serão severamente punidos", disse a VEJA a americana Lauren Vanessa Lopez, da Universidade de Miami. Por sorte, a concentração do poder nas mãos dos dinossauros paranoicos está com os dias contados. A idade é um inimigo que os irmãos Castro não podem prender ou fuzilar.


Veja.com

Nenhum comentário: