domingo, 26 de julho de 2009

Rejeição a Obama cresce cinco pontos após polêmica racial


WASHINGTON - Uma pesquisa divulgada neste domingo, 26, pelo instituto Rasmussen Reports indica que 40% dos americanos desaprovam fortemente a gestão do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e que apenas 29% a aprovam com entusiasmo. A avaliação negativa do democrata subiu cinco pontos percentuais desde a última pesquisa, feita de três em três dias.

"O presidente recebeu, em geral, pobres avaliações por sua resposta a uma pergunta, durante a entrevista coletiva, sobre um incidente em Cambridge no qual estiveram envolvidos um professor universitário negro e um agente policial", acrescentou o relatório. Na ocasião, Obama criticou o comportamento da polícia, mas depois se retratou.

A pesquisa publicada hoje é a primeira do instituto desde que Obama concedeu uma entrevista coletiva para explicar seu plano de reforma do sistema de saúde americano.

As atualizações que a Rasmussen Reports faz em seu índice de popularidade presidencial correspondem a entrevistas telefônicas noturnas e são compiladas a cada três dias, em média.

Em termos gerais, 49% dos entrevistados pela Rasmussen indica que "aprova pelo menos um pouco" a gestão de Obama, e 50% a desaprova "em certo grau".

Um total de "76% dos consultados vê Obama agora como "politicamente à esquerda", acrescenta o instituto. "Isto é um aumento de seis pontos percentuais em um mês, e 11 pontos desde que foi eleito" em novembro passado.

"Apesar de as pontuações de Obama terem caído no último mês, 54% dos indagados ainda creem que o presidente George W. Bush é responsável principal pelos problemas econômicos do país", acrescentou o relatório.

Estadão

Arrisco a dizer que estes números devem piorar, e os americanos, acordar

Um comentário:

Anônimo disse...

O vilão quando atinge o ápice sempre comete idiotices frente ao poder que carrega.

Quanto aos americanos não adianta chorar o leite derramado. É se prepararem para ingressar no proletariada politica. Adeus vida boa sedenta de consumo por bons produtos e dos costumes culturais de qualidade do passado. Agora é entrar de nariz no novo mundo de horizontes escusos.