quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Berlim: Hitler é afrontado pela segunda vez.


SÃO PAULO - Na véspera de completar 23 anos, Usain Bolt deu um verdadeiro presente aos seus admiradores. O jamaicano mais uma vez assombrou a todos no Mundial de atletismo e quebrou o recorde dos 200 metros, ao cravar o tempo de 19s19, nesta quinta-feira, na pista de Berlim. Com o resultado, ele garantiu sua segunda medalha de ouro na competição, seguido por Alonso Edward (Panamá) e Wallace Speramon (EUA), prata e bronze, respectivamente.

O mais novo feito do atletismo mundial veio não sem antes as tradicionais dancinhas, caretas para câmera e frases de efeito, ainda no bloco de largada. Um verdadeiro show. Há quem chame isso de marra, arrogância, falta de educação, mas Bolt não dá ouvidos aos críticos e só quer saber de comemorar.

E essa receita tem dado certo. Também em Berlim, com todo o mesmo gestual, ele pulverizou a sua própria marca nos 100 metros ao correr em 9s58 - 0s11 mais rápido que nos Jogos Olímpicos de Pequim, quando conquistou três medalhas de ouro e bateu três recordes mundiais.

Bolt dominou a prova do começo ao fim. Já na curva não via Edward (19s81) e Spearmon (19s85), seus principais rivais, ao seu lado e correu tranquilamente para a vitória. Nos metros finais, apontou para o relógio, teve a certeza de que quebraria mais um recorde mundial e abriu seu carismático sorriso. Depois disso, restaram as poses para fotos ao lado da nova marca.

Perguntado se essa seria sua melhor marca, ele não desconversou. "Sempre há limites, mas eu diria que não conheço os meus. Tudo é possível", disse em entrevista ao SporTV. "Mesmo assim, eu espero continuar quebrando recordes. Ainda quero a medalha de ouro no revezamento", completou.

Tyson Gay, homem que poderia derrotar Bolt, desistiu da disputa alegando dores na virilha esquerda. Além disso, o norte-americano saiu visivelmente arrasado dos 100 metros. Ele esperava derrotar o jamaicano, mas acabou na segunda colocação.

A supremacia de Bolt vem no mesmo palco em que o norte-americano Jesse Owens pôs abaixo a dita superioridade ariana, defendida por Adolf Hitler. Nos Jogos Olímpicos de 1936, Owens conquistou quatro medalhas de ouro, sob os olhos do fuhrer. 73 anos depois, a vez do jamaicano demonstrar que é imbatível.

Mas se o resultado já havia sido fantástico nos 100 metros, Bolt estava mesmo guardando forças para os 200. Ele nunca escondeu que essa era sua prova da sua adolescência, a prova favorita. Só faltava a consagração em um Mundial. Na Olimpíada ele havia cravado 19s30, dessa vez, foi também 0s11 mais rápido.

Agora, para a festa de aniversário de Bolt, programada para esta sexta, em Berlim, um amuleto a mais dará o tom: sua medalha de ouro. O jamaicano já avisou que faz questão de comemorar com os amigos e familiares, que tanto ajudaram em sua carreira.

Confira a classificação completa:

1. Usain Bolt (JAM) 19s19

2. Alonso Edward (PAN) 19s81

3. Wallace Spearmon (EUA) 19s85

4. Shawn Crawford (EUA) 19s89

5. Steve Mullings (JAM) 19s98

6. Charles Clark (EUA) 20s39

7. Ramil Guliyev (ARZ) 20s61

8. David Alerte (FRA) 20s68

Nenhum comentário: