sábado, 29 de agosto de 2009

Cúpula expõe divisão na Unasul

A reunião de cúpula da União de Nações Sul-americanas (Unasul) realizada ontem, em Bariloche, acentuou a divisão da região em torno do acordo EUA-Colômbia, que prevê a presença de forças militares americanas em sete bases colombianas por dez anos.

O encontro durou 7 horas e foi marcado pelas trocas de insultos e acusações. Ao final, os países conseguiram chegar a um acordo que trata com termos vagos os temas mais sensíveis relacionados à segurança regional e tenta traçar uma estratégia para recuperar a confiança mútua.

O presidente colombiano, Álvaro Uribe, não apresentou aos outros líderes da região a esperada garantia jurídica de que as ações militares dos EUA não se estenderão aos territórios dos países vizinhos. Tampouco apresentou com clareza os termos do acordo.

Uribe tornou-se alvo de ataques da Venezuela, do Equador e da Bolívia, que rechaçam o acordo com os EUA, mas conseguiu incluir no documento final do encontro um repúdio à ação de grupos armados na região e o "compromisso de fortalecer a luta e a cooperação contra o terrorismo, a delinquência transnacional organizada e delitos conexos: o narcotráfico e o tráfico de armas"(mais informações na página 23).

Durante os debates, o Peru manteve seu alinhamento com a Colômbia - embora tenha feito algumas ressalvas. O Brasil, a Argentina, o Chile, o Paraguai e o Uruguai tentaram amenizar os atritos, numa tentativa de preservar o processo de integração da Unasul.

Chamados ao resgate da confiança nesse processo fizeram parte de quase todos os discursos dos líderes da região. Mas o que se verificou foi justamente o "rompimento da confiança entre alguns membros da Unasul", como resumiu a presidente argentina, Cristina Kirchner.

Antes mesmo do encontro terminar, o presidente peruano, Alan García, e o uruguaio, Tabaré Vázquez, voltaram para casa, alegando ter compromissos em seus países.

Depois das sete horas de discussão, os presidentes que ainda estavam na reunião, apressados, começaram a improvisada leitura do documento final da cúpula da Unasul. Muitos quiseram corrigir o texto enquanto ele era lido pelo presidente equatoriano, Rafael Correa.


DOCUMENTO VAGO


O texto do acordo é suficientemente amplo para agregar as diferenças manifestadas por Uribe, de um lado, Chávez, Correa e o boliviano Evo Morales, de outro.

A única passagem que faz referência ao acordo militar entre os Estados Unidos e a Colômbia é a que diz que "a presença das forças militares estrangeiras não pode ameaçar a soberania e a integridade de qualquer nação sul-americana e, em consequência, a paz e a segurança na região".

No documento, os integrantes da Unasul instruem o Conselho de Defesa da entidade a desenhar medidas para fomentar a confiança, a segurança e as garantias em uma reunião entre chanceleres e ministros da Defesa que ocorrerá na segunda quinzena de setembro.

Ele também ressalta o "fortalecimento da América do Sul como zona de paz" e sustenta a decisão dos países de absterem-se de "recorrer às ameaças ou ao uso da força contra a integridade territorial de outro Estado da Unasul".


Segundo García, o texto não tem "nem pé nem cabeça e não será entendido em nenhum lugar do mundo".


Estadão

Nenhum comentário: