quarta-feira, 9 de setembro de 2009

A marcha da insensatez e a estupidez protetora


Autora: Sandra Cavalcanti
O Estado de S. Paulo - 09/09/2009
No ano de 1984, Barbara W. Tuchman premiou o mundo com um livro que, além de surpreendente, é admiravelmente bem escrito: A Marcha da Insensatez. Obra para ser lida e relida, dedicada aos que se interessam pelos caminhos da humanidade e procuram explicações para a insensata adoção, por muitos governantes, de políticas contrárias aos seus próprios interesses.

A autora oferece quatro episódios da História mundial como exemplo de momentos muito emblemáticos:

Os troianos puxam o misterioso cavalo de madeira para dentro dos muros de Troia;

os papas da Renascença não captam a importância das vozes reformistas e não impedem a cisão protestante;

a arrogância dos lordes ingleses detona o processo de libertação da América do Norte;

os americanos se atolam no Vietnã.

Como entender que, com poder de decisão política, alguns ajam tão frequentemente de forma contrária à apontada pela razão e pelos próprios interesses em jogo? Por que o processo mental dessas inteligências, também tão frequentemente, parece não funcionar?

O último capítulo do livro, Uma Lanterna de Popa, oferece ao leitor conclusões bastante melancólicas sobre os relatos e feitos analisados. Uma dessas conclusões sustenta a tese de que, entre as causas que mais contribuem para a insensatez política, a principal é a ambição do poder.

A ambição do poder é definida por Tácito como "a mais flagrante de todas as paixões". Ela só se satisfaz quando exerce o poder sobre os demais seres humanos. Governar acaba sendo a melhor forma de exercer o poder sobre as pessoas.

Ganhar muito dinheiro ou conseguir muita fama também oferecem satisfação de poder. Mas isso só aos muito bem-sucedidos. Nos casos comuns, embora o dinheiro propicie alta posição social e luzes de fama, fica faltando o domínio sobre os demais. O real domínio só o ato de governar oferece! O domínio sobre os outros significa, para os governantes, o verdadeiro poder que ambicionavam. Por isso o desejam ardentemente e o conquistam a duras penas. Mas depois, lamentavelmente, revelam-se incapazes de exercê-lo sobre si mesmos.

Nenhuma alma, segundo Platão, consegue resistir ao excesso de poder. Para livrá-la da insensatez, só a garantia das leis. Sem essas garantias o excesso de poder conduz à desordem e à injustiça. Toda insensatez começa assim.

Maquiavel, que sabia das coisas, dizia que todo governante "deve ser um grande perguntador, escutar pacientemente a resposta sobre o que perguntou e manifestar sua ira ao verificar que lhe ocultaram a verdade".

No mundo de hoje, qualquer titular de governo enfrenta muitíssimos problemas. Às vezes fica difícil a compreensão clara e sólida de muitos deles. Não sobra tempo para pensar e refletir. Além disso, o grupo que cerca o chefe só age em função de decisões que possam garantir-lhe prestígio político e força eleitoral. E, dizia Maquiavel, "se ele fica à mercê do grupo que o cerca, abre caminho para uma situação que alguns estudiosos definem como estupidez protetora". A estupidez protetora é a responsável pelo fato de o presidente não fazer muitas perguntas, não escutar pacientemente as respostas e não ficar irado quando verifica que lhe ocultaram a verdade.

A nossa marcha da insensatez vem sendo liderada, lá do Planalto, por um grupo assim, todos movidos exclusivamente pelo objetivo de permanecer no poder. Põem em prática, como nunca antes, todos os famosos Princípios da Dominação pela Propaganda, seguidos por Goebbels, Stalin, Mao, Fidel e tantos outros.

Não se pode negar que, à custa de bilhões de reais, os efeitos dessa propaganda estão sendo alcançados. Lula nunca sabe de nada. E quando sabe passa a mão pela cabeça dos culpados e, irado, atreve-se a querer calar o Estadão, o mais corajoso e livre órgão de imprensa do Brasil!

O mais triste ainda é que, apesar de todos os escândalos, da mais deslavada corrupção, da mais desavergonhada compra de consciências, da mais cínica postura em relação às leis, o brasileiro continua calado e anestesiado. A voz do País ainda não se fez ouvir. Misteriosas e oportunas pesquisas de opinião dão a entender que o povo está feliz, achando que tudo vai bem. Mesmo com os problemas da assistência à saúde. Mesmo com os níveis desastrosos da educação. Mesmo com a vergonha da infraestrutura dos transportes. Mesmo com o aumento apavorante da violência. Mesmo com os portos ainda travados. Mesmo com as dívidas públicas não pagas. De onde vem, então, essa apregoada visão positiva de um governo tão vulnerável?

Vem da força terrível da propaganda. Da prática imoral da dominação de um povo pelas artimanhas, pelas armadilhas e pelos artifícios da mais poderosa e cara máquina estatal de propaganda governamental jamais montada antes no Brasil! Nem na ditadura de Vargas, nem no período militar. O grupo de Lula só tem um objetivo: continuar no poder. Como? Essa ambição é que leva à insensatez.

Sabendo que seria perigoso prorrogar o seu mandato, trilhando, desde logo, o mesmo caminho de Hugo Chávez, Evo Morales, Rafael Correa e outros do mesmo time, o presidente não hesitou, ditatorialmente, em afrontar a sua própria gente! Impôs uma candidatura ao PT. Derrubou os procedimentos democráticos usados pelo partido. Quem xingava tanto as oligarquias conservadoras cometeu a insensatez de imitar os troianos, os papas da Renascença, os lordes ingleses e o atoleiro do Vietnã! Mas a História é implacável. Sempre há um cavalo de pau. Um Lutero. Um Washington. Um drama em Saigon. Sempre há!

Nenhum comentário: