quarta-feira, 28 de outubro de 2009

O novo governo de Merkel

No Parlamento alemão, a chanceler Angela Merkel dá início a seu novo governo de centro-direita

A conservadora Angela Merkel, de 55 anos, foi reeleita nesta quarta-feira (28) chanceler da Alemanha para um novo mandato de quatro anos pelos deputados da Bundestag (Câmara Baixa do Parlamento). Nesta quarta-feira, durante uma votação em sessão plenária, Merkel recebeu os votos de 323 dos 612 deputados presentes.

Merkel encabeça uma coalizão de centro-direita entre a sua CDU (União Democrata-Cristã), o aliado bávaro CSU (União Social-Cristã) e o FDP (Partido Liberal Democrata). Essas legendas obtiveram 332 das 622 cadeiras de deputados nas legislativas de 27 de setembro.

O Executivo reúne-se depois pela primeira vez à tarde, na Chancelaria Federal, para uma primeira análise da situação, não sendo de esperar decisões.

No programa do governo apresentado anteriormente pela coligação de democratas-cristãos (CDU-CSU) e liberais (FDP), destaca-se a promessa de reduções nos impostos da ordem dos 24 bilhões de euros por ano.

Na legislatura que agora se inicia, o centro-direita pretende também investir 12 bilhões de euros na educação e ensino e fixar estas despesas em 10% do orçamento geral do Estado, a partir de 2015.

No documento de 124 páginas anuncia-se um programa para acelerar o crescimento econômico, em alternativa a uma política de austeridade, que foi considerada desadequada para combater a atual crise e o aumento do déficit público.

Além disso, haverá também um "chapéu protetor" para os trabalhadores, para estancar e reduzir o desemprego, à imagem das medidas tomadas para evitar o colapso do setor bancário.

Para a política externa, CDU-CSU e FDP consideram que as negociações para a adesão da Turquia à União Europeia têm desfecho em aberto e propõem que seja oferecida a Ancara uma parceria privilegiada, em caso não se chegue a acordo.

O novo ministro das Relações Exteriores será o chefe do FDP, Guido Westerwelle, um discípulo do lendário chefe da diplomacia alemã Hans-Dietrich Genscher.

O político mais experiente da CDU, Wolfgang Schaeueble, 67 anos, transita do Interior para as Finanças, uma das pastas mais importantes.

O ministro mais jovem é Philipp Roesler, do FDP, um médico de ascendência vietnamita que assumirá a pasta da Saúde, considerada uma das mais difíceis, face ao déficit na assistência pública.

Ao todo, o governo terá sete ministros da CDU, cinco dos liberais e três dos democratas-cristãos da Baviera (CSU), além da chanceler.

Após a reunião do executivo, Merkel parte para Paris, ao fim da tarde, cumprindo a tradição dos chefes de governo alemães de fazer a primeira oficial a França, como forma de frisar a importância das relações entre os dois países vizinhos.

Segundo fontes governamentais em Berlim, o encontro entre Merkel e o Presidente francês, Nicolas Sarkozy, servirá para preparar a cúpula europeia de quinta e sexta-feira, em Bruxelas.

Na agenda do Conselho Europeu destacam-se as questões econômicas, o combate às alterações climáticas e a escolha dos nomes para os novos cargos na UE, definidos no Tratado de Lisboa.

Para a entrada em vigor do tratado falta apenas a conclusão do processo de ratificação na República Tcheca.

UOL

Nenhum comentário: