terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Caos em SP: chuva diminui e cidade sai do estado de atenção


A chuva que paralisou a cidade de São Paulo nesta terça-feira começou a diminuir durante a tarde e o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da prefeitura retirou a capital do estado de atenção após 10 horas. Os pontos de alagamento, que chegaram a 105 no período mais crítico, caíram para 10 às 18h20 - três deles permanecem intransitáveis. No começo da tarde, a trégua da chuva permitiu que o nível da água do rio Tietê baixasse e retornasse ao leito.

Os pontos que permanecem intransitáveis são: avenida Mofarrej, nos dois sentidos; Marginal Pinheiros, altura do número 1329, sentido Castelo Branco, e avenida Raimundo Pereira de Magalhães, em ambos os sentidos.

Depois de doze horas de uma chuva incessante, o saldo foi caótico: pelo menos seis mortos em deslizamentos de terra na região metropolitana, rios e córregos que transbordaram, trânsito infernal em quase todas as grandes avenidas e um sistema de transporte público incapaz de funcionar nas condições necessárias. Os congestionamentos atingiram 96 quilômetros. O temporal despejou sobre São Paulo o equivalente às chuvas previstas para todo o mês de dezembro

Entre os mortos estão quatro crianças, vitimadas após o deslizamento de um barranco no bairro conhecido como 120, em Santana do Parnaíba, na Grande São Paulo, segundo os bombeiros. A média de precipitação hoje, desde 0h até as 7h, foi de 54,8 mm, e nas ultimas 12 horas, de 64,4 mm. Já choveu neste mês de dezembro 122,1 mm, o que equivale a 60,75% da precipitação média para o mês.

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) informou que foi normalizada às 16h40 a circulação de trens na Linha 7 - Rubi (Luz - Francisco Morato). A interrupção entre as estações Caieiras e Jundiaí ocorreu às 6h05 devido às chuvas, que provocaram o alagamento na via férrea. A circulação na Linha 9 - Esmeralda (Osasco - Grajaú), foi normalizada às 9h45.

Confira no mapa abaixo os principais pontos de alagamento e congestionamento na cidade de São Paulo nesta terça-feira, com informações do Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), da Prefeitura.

Marginais - Depois de mais de seis horas, as Marginais do Tietê e do Pinheiros saíram do estado de alerta no começo da tarde, assim como o bairro do Itaim Paulista, na zona Leste. Por causa do transbordamento do Rio Tietê, ambos os sentidos da Marginal do Tietê possuem pontos de bloqueios junto às pontes Aricanduva, Vila Maria, Bandeiras e Freguesia do Ó.

Aeroportos - A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) informou que, por volta das 11h, os aeroportos de São Paulo continuavam operando por instrumentos - quando o piloto necessita de equipamentos especiais para alinhar a aeronave com a pista.

No Aeroporto Internacional de Congonhas, na zona sul de São Paulo, seis voos foram cancelados e 23 decolagens, de um total de 81 programadas até as 11 horas, estavam com atrasos de mais de meia hora. Em Guarulhos, na Grande São Paulo, o Aeroporto Internacional de Cumbica registrava cinco cancelamentos e 50 voos atrasados, de um total de 97 programados para o horário.

Trens - A CPTM acionou a operação Plano de Apoio entre Empresas de Transporte frente a Situações de Emergência (Paese), com 80 ônibus da Empresa Metropolitana de Trens Urbanos (EMTU), para realizar o transporte dos usuários entre as estações Francisco Morato e Perus.

(Com Agência Estado)


A chuva que castiga a cidade de São Paulo desde a noite desta segunda-feira já atingiu um volume 220% superior ao que a capital pode suportar em um único dia. De acordo com Flávio dos Santos Rodrigues, engenheiro do Centro de Gerenciamento de Emergência (CGE), da Prefeitura, o limite suportável é de 20 milímetros, mas a média registrada até às 9h desta terça-feira foi de 64 milímetros.

Nenhum comentário: