domingo, 20 de dezembro de 2009

DATAFOLHA

A Folha publica hoje a pesquisa Datafolha. Naquele que pode ser considerado o principal cenário, SEM CIRO GOMES, os números são estes:

CENÁRIO SEM CIRO

Serra (PSDB)

40%

Dilma (PT)

26%

Marina (PV)

11%

Branco/nulo

11%

Não sabe

11%

Fato: Neste cenário, Serra venceria no primeiro turno. Caso Ciro Gomes esteja na lista, os números são os seguintes:

CENÁRIO COM CIRO

Serra (PSDB)

37%

Dilma (PT)

23%

Ciro (PSB)

13%

Marina (PV)

8%

Branco/nulo

9%

Não sabe

10%

O Datafolha, finalmente, traz uma simulação de segundo turno, coisa que não vinha fazendo — nem ele nem os demais institutos. O resultado é este:

CENÁRIO UM

Serra (PSDB)

49%

Dilma (PT)

34%

CENÁRIO DOIS

Serra (PSDB)

51%

Ciro (PSB)

28%

Os analistas da Folha poderiam, vá lá, intuir que Serra tem motivos para estar satisfeito, não? Que nada! A gente atravessa os textos e é informado que a situação para o tucano é terrível. Janio de Freitas, por exemplo, diz que o jogo só começou agora — agora que, segundo se entende de sua coluna, Dilma ESTARIA num novo patamar. Justiça se faça, Melchiades Filho, diretor da Sucursal de Brasília, faz uma boa análise dos destinos possíveis de Serra e Aécio Neves.

O ERRO DA FOLHA
A Folha, que firmou uma tradição, por intermédio do Datafolha, na publicação e leitura de pesquisas, dá uma derrapada feia. E vocês não precisam acreditar em mim: perguntem ao Datafolha (e-mail
aqui) se o que vou escrever procede ou não. Manchete do jornal: “Cai diferença entre Dilma e Serra”. Manchete da página interna: “Dilma se consolida em 2º e reduz diferença para Serra“. A primeira formulação está INTEIRAMENTE ERRADA. A segunda, parcialmente. Por quê?

Por incrível que pareça, o próprio texto do jornal, assinado por Fernando Rodrigues, explica: “É errado comparar o levantamento deste mês com o de agosto. Os cenários apresentados ao eleitor são diferentes“. Leiam aquele post que publiquei ontem sobre os números passados do Datafolha. Eu chamava justamente a atenção para isso. TODAS AS SIMULAÇÕES ANTERIORES DO DATAFOLHA CONTAVAM COM HELOÍSA HELENA. Esta não.

Ora, quando a Folha diz que “cai a diferença”, pergunta-se: CAI A DIFERENÇA EM RELAÇÃO A QUÊ? Só pode ser NA COMPARAÇÃO COM O LEVANTAMENTO DE AGOSTO, o que, diz o jornal, é ERRADO.

Mas aí o texto se sai com uma formulação assombrosa: “Feita a ressalva, é necessário observar que Dilma melhorou seu desempenho acima da margem de erro em qualquer combinação de candidatos”. Com a devida vênia, isso não faz o menor sentido. Para MELHORAR, tem de MELHORAR em relação a alguma coisa. Quem pode garantir que, em agosto, sem Heloísa Helena na disputa, o número de Dilma já não fosse esse ou quase? Aliás, essa hipótese é bastante plausível. Vejam o que aconteceu no cenário mais PARECIDO com o de agora, mas ainda com Heloisa Helena:

Candidatos Em agosto Em dezembro Variação

Serra

36%

37%

+ 1 ponto

Dilma

17%

23%

+ 6 pontos

Ciro

14%

13%

- 1 ponto

H.Helena

12%

ESTÁ FORA

ESTÁ FORA

Marina

3%

8%

+ 5 pontos

Bc/Nulo

11%

9%

- 2 pontos

Não sabe

7%

10%

+ 3 pontos

Observem que a variação de brancos/nulos-não sabe é pequena: de 18% para 19%. Com a saída de Heloísa Helena da disputa, Marina Silva também herdou consideráveis 5 pontos. E Dilma foi a maior beneficiária, ficando com seis. E esse é um movimento absolutamente explicável, já que o eleitorado da ex-senadora do PSOL é ideológico, assumidamente de esquerda. O esperado é que se dividisse mesmo entre Marina — com quem o PSOL vem flertando — e Dilma, considerada, certamente, por boa parte dos eleitores de Heloísa Helena como a candidata de “esquerda” que pode derrotar a “direita”.

Observem que não estou contestando os números. Em princípio, acho que o Datafolha foi às ruas e colheu aquele resultado mesmo. MAS DIZER QUE DIMINUIU A DIFERENÇA, LAMENTO, É FAZER MAU JORNALISMO E INCORRER NUMA INCORREÇÃO TÉCNICA INEXPLICÁVEL. No site do Datafolha, há textos sustentando que isso é ERRADO.

A Folha, aliás, vem inovando nessa área: no dia 8, ao ler a pesquisa CNI/Ibope, o jornal já cometeu um erro. Apontei o problema aqui. Também aquele era, digamos, ruim para Serra. Não estou apontando conspiração. Estou dizendo que o jornal errou no dia 8 e no dia 20. E os dois erros são negativos para o candidato tucano. É matéria de fato, não de gosto.

Volto a esta pérola: “Feita a ressalva, é necessário observar que Dilma melhorou seu desempenho acima da margem de erro em qualquer combinação de candidatos”. É MENTIRA! Ela não pode ter “MELHORADO SEU DESEMPENHO EM QUALQUER COMBINAÇÃO” PORQUE NENHUMA COMBINAÇÃO TRAZIA HELOÍSA HELENA. É uma questão de lógica elementar.

E a Folha deve outro “erramos” aos leitores. Perguntem ao Datafolha se as coisas são ou não são assim (no que diz respeito à questão técnica). Se vocês receberem alguma resposta, podem me enviar que eu publico.

É evidente, torcidas (no plural mesmo) à parte, que os números do Datafolha são positivos para o tucano José Serra. Se vai ganhar a eleição, bem, isso eu não sei, e ninguém sabe. Mas encerrar o ano com algo entre 14 e 21 pontos de vantagem (a depender do instituto), vencendo com folga o segundo turno, é um feito. Ao contrário do que se diz por aí, isso só demonstra o acerto de sua estratégia. A versão de que evitou entrar na arena só para afastar Aécio é bobagem. O governador mineiro ficou livre para agir. É que sua candidatura não decolou, como evidencia também o Datafolha.

A torcida, no entanto, para que o agora pré-candidato único do PSDB quebre a cara é algo como nunca vi. Não importa o fato político, e lá estará um “analista isento” para decretar: “Isso é ruim para Serra”. É o que se entende da leitura hoje da Folha. Tem-se a impressão de que a sua candidatura corre um sério risco. Sugere-se que está estagnada, enquanto a de Dilma avança. Mas esperem: o normal não é justamente que isso aconteça? A máquina petista está em ação; o tucano só quer falar de outros assuntos.

O Datafolha saiu a campo logo depois do programa partidário do PT. Querem saber? Corrijo o que eu mesmo havia dito a respeito: acho que ele teve pouca ou nenhuma influência nesse resultado do Datafolha. O que contou foi a saída de Heloísa Helena. Dilma ficou com metade de seus votos. E Marina levou quase a outra metade — e ela não teve horário nenhum. Foi uma migração ideológica.

Escutem aqui: haverá o momento em que Dilma tenderá mesmo a encostar em Serra. A campanha dela está na rua. O que me parece é que, dadas a propaganda maciça, a onipresença de Lula na TV — sempre acompanhado da candidata —, o tal programa, as enchentes em São Paulo, cuja cobertura não poderia ser mais enviesada e hostil à Prefeitura e ao governo de São Paulo, e a desistência de Heloísa Helena, Dilma ganhou foi pouco.

É assim porque eu quero? Não!É assim porque assim são os números. A candidata do PSOL sai da parada, Marina sobe 5 pontos, e Dilma, 6. E se vê nisso uma disparada da petista? A ÚNICA COISA QUE DÁ PARA AFIRMAR, AÍ, SIM, A ESTAREM CERTOS OS NÚMEROS DO DATAFOLHA, É QUE CIRO GOMES JÁ ERA. Não agregou nada com a saída da pré-candidata do PSOL e ainda pode ter perdido um pouco.

“Mas e quando Lula entrar pra valer?” “E quando ele for à TV falar em defesa de Dilma?” “E quando, isso, aquilo etc e tal?” Bem, esse é um dado da equação desde sempre. O fato é que essa disputa, até agora, não repete o padrão das duas anteriores. Ao longo de 2001 e 2002, Lula jamais deixou de liderar os levantamentos. Em 2005, Serra chegou a estar na frente por um brevíssimo período. Quando, em fevereiro de 2006, abriu mão de se candidatar, ainda tinha alguma coisa de vantagem. Escolhido Alckmin, Lula disparou e nunca teve a reeleição nem remotamente ameaçada. E, não custa lembrar, ele não está na disputa.

Isso quer dizer que a tarefa é fácil? Não! É dificílima, embora o tucanato ainda não possa se orgulhar de estar fazendo tudo o que pode para ganhar. Aécio voltou a negar neste sábado que aceite ser vice, por exemplo. Colunistas nos grandes (por enquanto?) jornais quase o incitam à traição. É vergonhoso! Falarei com mais vagar sobre este assunto na madrugada de segunda.

Os petistas podem soltar rojões à vontade. O fato é que uma Dilma com apenas 23 pontos, quanto tudo, mas tudo mesmo, conspirou a favor dela está longe de ser uma notícia tranqüilizadora para eles. De outra parte, os 37% de Serra, dado o conjunto de eventos, são surpreendentes. Se até a desistência de seu oponente interno é tratada como notícia negativa para ele, o que poderia ser um fato positivo? Vencer com folga no segundo turno? Chance de vencer até no primeiro? Bem, isso ele tem hoje. E, no entanto, “eles” escrevem: “Serra não está nada bem…”

Há algo de errado com os jornais. E a Internet não tem nada com isso.


.............



O Datafolha fez o levantamento antes da desistência do governador Aécio Neves. Por isso, há simulações que incluem o seu nome. E que ajudam a explicar por que ele retirou a pré-candidatura. Bastar olhar para verificar que não emplacou. E não há transferência de culpas, de responsabilidades etc. No tempo em que defendeu as prévias, ficou livre para fazer política. Elas, por si mesmas, não mudam a vontade do eleitor. Vejam os dois cenários em que ele aparece como candidato tucano: com Ciro e sem Ciro.

COM CIRO

Dilma

26%

Ciro

21%

Aécio

16%

Marina

11%

Bco/nulo

13%

Não sabe

13%

SEM CIRO

Dilma

31%

Aécio

19%

Marina

16%

Bco/nulo

18%

Não sabe

16%

Os petistas têm uma grande preocupação: a Região Sudeste — e, em especial, São Paulo. Os números abaixo ajudam a entender por quê. Se Dilma aparece no Datafolha com uma ligeira vantagem no Nordeste, única região em que está na frente, no Sudeste e no Sul, as coisas se complicam bastante. Vejam:

Região Serra Dilma Ciro Marina Bco/nulo Não sabe
Sudeste 41 19 12 9 11 7
Sul 39 19 12 7 8 15
Nordeste 28 31 14 7 8 12
Norte/CO 38 24 13 9 6 10
Em São Paulo
Estado 47 18 11 9 10 5
Cidade 48 19 12 9 12 6



...

A distribuição dos votos por renda revela um dado interessante. Serra vence em todos os cortes e obtém a sua melhor marca entre os que ganham de 5 a 10 salários mínimos. Já Dilma Rousseff obtém o seu melhor desempenho entre os que ganham mais: acima de 10 mínimos. A vantagem do tucano sobre a petista entre os mais pobres (12 pontos) e maior do que entre os mais ricos: 8 pontos:

Renda Serra Dilma Ciro Marina Bco/nulo Não sabe
Até 2 SM

35

23

12

6

9

14

De 2 a 5

37

23

13

9

9

8

De 5 a 10

41

24

12

10

8

5

+ de 10

38

30

11

11

5

5



......

Dilma obtém bem menos apoio entre as mulheres. Apenas 20% dizem que votariam nela, contra 27% dos homens. Serra, por sua vez, leva uma ligeira vantagem entre as mulheres.

Sexo Serra Dilma Ciro Marina Bco/nulo Não sabe
Masc. 36 27 13 8 8 8
Fem. 38 20 12 9 10 12


...........

Reinaldo Azevedo

Nenhum comentário: