quarta-feira, 10 de março de 2010

Explico porque não gosto de bajular tucanos


O Título é meu, o texto é da Folha online:

Em palestra, ex-presidente diz que discussão no Brasil é se haverá "capitalismo burocrático-corporativo" ou "de competição"

Numa sociedade em que o Estado "é enorme e vai continuar sendo", é preciso valorizar as liberdades individuais, afirma tucano

Claudia Antunes
Da Sucursal do Rio

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) afirmou que a "verdadeira discussão" no Brasil hoje é se teremos um capitalismo "burocrático, corporativo", em que o Estado "manda e resolve", ou um "capitalismo de competição", de clara orientação liberal.

Apresentado como "eterno professor", FHC falou a 70 pessoas, que pagaram R$ 100 para ouvi-lo, na Casa do Saber, no Rio. Indagado por que "direita" e "liberal" eram consideradas palavras "feias", brincou: "Liberal e de direita, eu acho feio".

Ele defendeu o resgate do conceito original de liberalismo, de defesa das liberdades do indivíduo e da autonomia da sociedade, num país que "acha que Estado é igual à nação" e no qual o direito individual "vem depois da ideia do coletivo".

"No marxismo, o Estado é visto como expressão da classe dominante. Aqui ele é o libertador da nação, o que inverte as coisas. Já faz tempo que se sabe que competição não significa sufocar liberdade", disse.

Depois, lembrou que o liberalismo e o conservadorismo foram "desmoralizados" ainda no Império, por viverem "montados na escravidão". Mas o "liberal típico não é de direita", ressaltou: nos EUA a palavra quer dizer "progressista".

"É preciso um pouco mais de liberalismo no bom sentido, não contraditório com a ação social do Estado", explicou-se.

O ex-presidente introduziu o tema ao ironizar o PT por romper a defesa que fazia, na Assembleia Constituinte (1987-1988), da pluralidade sindical. Disse que o governo Lula "impôs a unicidade" e cooptou as centrais, ao legalizá-las e estabelecer "ligação direta entre cofre público e cofre sindical".

"Dá a impressão de que essas formas corporativas se comunicam mais facilmente com o sistema decisório político do que a multiplicidade de opiniões, o debate aberto."

A palestra tratou do fosso entre a "opinião pública" e o poder. FHC lembrou que por décadas os partidos foram o elo principal entre as classes e sua representação política.

Hoje, disse, "mesmo que ainda haja distinção entre possuir e não possuir", a sociedade "é muito mais fragmentada em seus interesses". "Achávamos que o florescimento da sociedade seria retransmitido aos partidos e ao poder, mas isso não parece acontecer."

Para ele, embora as informações circulem mais rápido, a ideia de "deliberação consciente" do eleitor deu lugar a uma identificação de sentimentos que, embora brote também de interesses concretos, surge no calor das campanhas.

"Ao invés de você ter um papel menor do indivíduo, ele é maior. [Barack] Obama ganhou porque simbolizou algo, o Lula se elegeu assim também."

À plateia desejosa de medir chances de mudança num sistema político que "olha com desdém" FHC disse que é preciso "lideranças morais, aceitas como virtuosas", para acelerar fatores de "ignição" das transformações. Disse que isso é mais difícil quando a situação econômica é boa.

À Folha o ex-presidente disse que na atual campanha o "ponto de interrogação" é sobre quem "terá capacidade de sintonizar com a sociedade". "Você sabe que eu tenho candidato.

O que tem que ser feito no Brasil ele vai ter que dizer."

Hesitando entre o político e o sociólogo, FHC rebateu um ouvinte que criticou o Legislativo.

Disse que "o baixo clero dominou de tal maneira que hoje não tem mais alto clero", mas viu um ponto positivo. "A camada que começa a mandar é nova. O próprio sindicalismo, sociologicamente é uma nova gente. Sem a erudição dos antigos, expressam o novo Brasil."


......

Para mim isso não basta como valores de mudança empenhadas pelo cacique tucano.
Deixo como ressalvas os grifos no texto.
FHC é um fanfarrão...
Isoo inclui (se é que perceberam) que não uso mais os textos do R.A. , onde se exalta em demasia o PSDB, além do que ele não publicou vários comentários meus onde de forma discreta falo sobre a cretina e eterna briga dele com Jan
er Cristaldo. Onde o R.A. usa argumentos apenas de ranking de visitação do site dele.
Já diziam que quanto mais há idolatria, mas de sai do foco princiopal.
É um belíssimo trabalho, mas PSDB cansa.

Um comentário:

General disse...

Stenio amigo, bingo: FHC é um fanfarrão. Abraço