quinta-feira, 25 de março de 2010

Presidente de canal de TV de oposição a Chávez é preso na Venezuela


O presidente do canal de TV Globovisión, Guillermo Zuloaga, foi preso nesta quinta-feira, 25, na Venezuela. O executivo foi detido em um aeroporto de Punto Fijo, no oeste do país, onde tomaria um voo fretado para uma ilha do Caribe.

A prisão foi pedida pelo Ministério Público venezuelano. Segundo a Procuradoria-Geral do país, Zuloaga não poderia deixar a Venezuela por estar sendo investigado pela Justiça, mas o órgão não informou a acusação que pesa sobre o empresário.

Familiares do executivo alegam que ele sofre perseguição do governo do presidente Hugo Chávez, por causa da linha editorial oposicionista do canal.

Zuluaga disse em entrevista a Globovisión, reproduzida pelo diário Universal, que oficiais a paisana se dirigiram a ele dizendo que tinham um mandado de prisão. Segundo o executivo, um avião do governo deve levá-lo a Caracas.

"Se eu quisesse me esconder, não sairia por um aeroporto conhecido. Espero ver o que dizem as autoridades e que meus advogados entrem em ação", acrescentou.

A procuradora-geral da Venezuela, Luísa Ortega Díaz, confirmou que um tribunal de Caracas pediu a prisão de Zuloaga.

Apesar de dizer que não poderia dar detalhes sobre o caso, a procuradora confirmou que recebeu uma denúncia de um deputado da Assembleia Nacional que acusa Zuloaga de 'dar declarações desrespeitosas e ofensivas contra o chefe de Estado'.

Ela não deixou claro se a denuncia motivou o pedido de prisão, ou se isto se deve a outros processos que ele responde na Justiça venezuelana.

Denúncias

O Ministério Público venezuelano começou a investigar Zuluaga e o ex-governador de Zulia Oswaldo Paz a pedido do deputado Manuel Villalba, do governista Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV).

Na quarta-feira, Villalba pediu que o MP investigasse Zuloaga por conta de declarações dadas durante assembleia da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) no final de semana.

No último dia 8, Paz, ex-governador de Zulia e deputado da Assembleia Nacional, acusou altos funcionários do governo de vínculos com o narcotráfico.

No dia seguinte, Villalba apresentou uma denúncia ao MP, na qual acusava o ex-governador de atentado contra o caráter republicano do governo, instigação pública à investigação, intimidação e calúnia. Paz foi preso no dia 22 e no dia 24 um tribunal ratificou a prisão.

Críticas a Chávez

Mais cedo, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) criticou o governo venezuelano pela prisão do ex-governador opositor Oswaldo Álvarez Paz e ações da Justiça contra Zuluaga e a juíza María Lourdes Afiuni Mora .

Segundo o órgão, vinculado à Organização dos Estados Americanos (OEA), a Venezuela tem criminalizado defensores dos direitos humanos, cerceado o direito de manifestação e perseguido criminalmente opositores do governo.


Estadão

Nenhum comentário: