quinta-feira, 25 de março de 2010

Uma Guerra, A Fé, a História, e um monte de bobagens

TEXTO 1 : do Estadão

NOVA YORK - Documentos obtidos pelo jornal americano New York Times revelam que até o bispo alemão Joseph Ratzinger, atualmente o papa Bento XVI, encobriu um sacerdote americano que abusou de aproximadamente 200 meninos surdos. A reportagem denunciando as omissões da Igreja foram publicadas nesta quinta-feira, 25, no diário.

A correspondência interna de bispos do estado americano de Wisconsin diretamente ao cardeal Ratzinger, que se tornaria o papa em abril de 2005, mostra que enquanto os responsáveis eclesiásticos discutiram a expulsão do padre, a prioridade maior foi proteger a Igreja do escândalo, segundo o site do jornal.


.......


Texto 2 : A Santa Inquisição - Wikipédia

A idéia da criação da Inquisição surgiu em 1183, quando delegados enviados pelo Papa averiguaram a crença dos cátaros de Albi, sul de França, também conhecidos como "albigenses", que acreditavam na existência de um deus do Bem e outro do Mal, Cristo seria o deus do bem enviado para salvar as almas humanas, após a morte as almas boas iriam para o céu, enquanto as más iriam praticar metempsicose.[1] Isto foi considerada uma heresia e no ano seguinte no Concílio de Verona, foi criado o Tribunal da Inquisição.

O Papa Gregório IX, em 20 de Abril de 1233, editou duas bulas que marcam o reinício da Inquisição. Nos séculos seguintes, ela julgou, absolveu ou condenou e entregou ao Estado vários de seus inimigos propagadores de heresias. A bula Licet ad capiendos (1233), a qual verdadeiramente marca o início da Inquisição, era dirigida aos dominicanos inquisidores: Onde quer que os ocorra pregar estais facultados, se os pecadores persistem em defender a heresia apesar das advertências, a privá-los para sempre de seus benefícios espirituais e proceder contra eles e todos os outros, sem apelação, solicitando em caso necessário a ajuda das autoridades seculares e vencendo sua oposição, se isto for necessário, por meio de censuras eclesiásticas inapeláveis. A privação de benefícios espirituais era a não administração de sacramentos aos heréticos, que caso houvesse ripostação deveria ser chamada a intervir a autoridade não religiosa (casos de agressão verbal ou física). Se nem assim a pessoa queria arrepender-se era dada, conscientemente, como anátema (reconhecimento oficial da excomunhão): "censuras eclesiásticas inapeláveis".

O uso da tortura era, de fato, bastante restrito e, aos poucos, foi sendo extinto dos processos inquisitoriais. Esta era apenas autorizada quando já houvesse meia-prova, ou quando houvesse testemunhas fidedignas do crime, ou então, quando o sujeito já apresentasse antecedentes como má fama, maus costumes ou tentativas de fuga. E ainda assim, conforme o Concílio de Viena, de 1311, obrigava-se os inquisidores a recorrerem à tortura apenas mediante aprovação do bispo diocesano e de uma comissão julgadora, em cada caso. Também é sabido que a tortura aplicada pela Inquisição era mais branda que a aplicada pelo poder civil, não sendo permitida, de forma alguma, a amputação de membros (como era comum na época) e o risco à vida. A tortura era um meio incluído no interrogatório, sobretudo nos casos de endemoninhados ou de réus suspeitos de mentira.

Apêndice:

Os julgamentos em Toulouse na França, em 1335, levou diversas pessoas à fogueiras; setecentos Feiticeiros foram queimados em Treves, quinhentos em Bamberg ...
Com exceção da Inglaterra e dos EUA, os acusados eram queimados em Estacas. Na Itália e Espanha as vítimas eram queimadas vivas. Na França, Escócia e Alemanha, usavam madeiras verdes para prolongar o sofrimento dos condenados.
No século XVIII chega ao fim as perseguições aos pagãos, sendo que a lei da Inquisição permaneceu em vigor até meados do século XX, mesmo que teoricamente. Na Escócia a lei foi abolida em 1736, na França em 1772 e na Espanha em 1834.
Os pesquisador Justine Glass afirma que cerca de 9 milhões de pessoas foram acusadas e mortas, entre os séculos em que durou a perseguição contra a Bruxaria.
As “mesmas pessoas”, juizes, advogados, governadores e clérigos que decidiram que haviam pessoas que praticavam Bruxaria, decidiram que não havería mais.


.....


Texto 3 : A Fé - Wikipédia


Fé (do grego: pistia e do latim: Fides= fidelidade[1]) é a firme convicção de que algo seja verdade, sem nenhuma prova de que este algo seja verdade, pela absoluta confiança que depositamos neste algo ou alguém. A fé se relaciona de maneira unilateral com os verbos acreditar, confiar ou apostar, isto é, se alguem tem fé em algo, então acredita ,confia e aposta nisso, mas se uma pessoa acredita ,confia e aposta em algo, não significa, necessariamente, que tenha fé. A diferença entre eles, é que ter fé é nutrir um sentimento de afeição, ou até mesmo amor, pelo que acredita,confia e aposta. É possível nutrir um sentimento de fé em relação a um pessoa, um objeto inanimado,uma ideologia, um pensamento filosófico, um sistema qualquer, um conjunto de regras, uma crença popular, uma base de propostas ou dogmas de uma determinada religião. A fé não é baseada em evidências físicas, e portanto as alegações da fé não são reconhecidas pela comunidade científica. É, geralmente,associada a experiências pessoais e pode ser compartilhada com outros através de relatos. Nesse sentido, é geralmente associada ao contexto religioso. A fé se manifesta de várias maneiras e pode estar vinculada a questões emocionais e a motivos nobres ou estritamente pessoais[carece de fontes?]. Pode estar direcionada a alguma razão específica ou mesmo existir sem razão definida. Também não carece absolutamente de qualquer tipo de evidência física racional.



....


Comentário:

As recentes notícias sobre casos e mais casos de crimes sexuais ligados a Igreja Católica, que vimos nos últimos dias deve ser tratada como um crime comum pela justiça, mas de forma crítica pela sociedade ocidental.
Não frequento nenhum tipo de Igreja, não gosto e não me apego em "rituais" de qualquer espécie.
Digo que deve ser encarado como mais uma derrota em se manter unida a civilização ocidental, que convenhamos, está em séria decadâencia.
O Futuro parece ser dos muçulmanos, e não devemos estar longe disso.
Mas, não me importo com as crenças em si...
Como médico, posso dizer que a fé gera um mecanismo de neurotransmissão potencialmente positivo no cérebro (evidente que em doses moderadas), independente da origem.
Mas o que me importa é a convivência em sociedade, os costumes, a cultura e realmente as relações interpessoais, que acabam, de alguma forma, moldadas por uma cultura ou outra, mais ou menos arraigada à rituais religiosos.
Este fato com a Igreja Católica mostra mais um grande de seus erros históricos (há alguns malucos que negam o Holocausto Nazista, mas existem outros malucos que negam as mortes geradas pela Santa Inquisição) em manter, por exemplo, o celibato (sabe-se lá porque inventaram algo tão anti-humano) que é o grande gerador de distorções no comportamento dos "representantes da Igreja Católica" em relação à "crimes sexuais". Viver onde a relação homem e mulher é proibida (nada é mais da natureza humana do que as diferenças de gênero e as relações entre pessoas de sexos opostos) leva ao aparecimento de desvios naqueles onde não há tanto "ego" disponível para digerir isso.
O erros são sucessivos. E as outras "entidades Cristãs" não ficam atrás, estas outra ávidas por dinheiro fácil, onde seus líderes não tem a menor vergonha de gritar em horários televisivos para doar, doar, doar, porque senão não seremos "salvos"!
E por aí vai.
Por isso não me apego a Rituais Religiosos. Todos, exatamente, TODOS se corromperam em algum momento de sua História.
Exatamente como a Esquerda...
As utopias de ambas geram isso.

Já dizia Martin Luther King:

"O Comunismo só existe porque o Cristianismo não está sendo suficientemente Cristão"!


Que coisa para se refletir, sem nenhum tipo de ataque histérico dos "Viciados em Fé Cega e excessiva" ou "Fundamentalistas de todas as espécies", os quais nem me darei ao trabalho de publicar os comentários.

2 comentários:

Sara Rozante disse...

Inquisição e a maldita ignorância:
http://www.franciscorazzo.com.br/?p=942#more-942

Inquisição - Matança geral:
http://caiafarsa.wordpress.com/inquisicao-matanca-geral-%E2%80%93-fernando/

A questão do celibato na Igreja, não é um dogma, mas uma norma disciplinar. Tanto que em algumas Igrejas Sui Juris os sacerdotes são casados.
Ver mais aqui:
http://srozante.blogspot.com/2010/03/10-mitos-sobre-pedofilia-entre.html

Sara Rozante

Stenio Guilherme Vernasque da Silva disse...

Sara...
muito legais os links, mas:

quem tem razão????
Justamente os sem razão???
Não acredito.
Aprendemos História e lemos muito à respeito.
Não defendo nehuma religião, muito menos a protestante, mas
Continuar negando a Inquisão Assassina é igualzinho ao Ahmadinejad negar o Holocausto...
Por isso REPITO: Todos os Rituais Religiosos, que distribuem Fé em nome de "Deus" são exatamente corruptas pelo menos em alguma parte da história. Eu disse TODAS!!