terça-feira, 11 de maio de 2010

Hipocrisia muçulmana


Tudo começou em 1989, quando o indiano Salman Rushdie publicou Versículos Satânicos. Neste livro, Rushdie reproduziu os versículos Gharanigh, não aceitos pelos canonistas do Corão. Trocando os queijos de bolso – ou mutatis mutandis, como preferem os juristas – é como se no Ocidente fossem publicados os evangelhos apócrifos ou gnósticos, não aceitos pela Igreja Católica, que aliás são publicados em várias línguas do Ocidente. Embora fosse indiano com nacionalidade britânica, Rushdie foi alvo de uma fatwa do aiatolá Khomeini, então todo-poderoso da “revolução” no Irã.

"Eu informo o orgulhoso povo muçulmano do mundo inteiro que o autor do livro Os Versículos Satânicos, que é contrário ao Islã, ao Profeta e ao Corão, assim como todos os implicados em sua publicação e que conhecem seu conteúdo são condenados à morte. (...) Apelo a todo muçulmano zeloso a executá-los rapidamente, onde quer que eles estejam. (...) Todo aquele que for morto nessa empreitada será considerado mártir”.

A Europa aceitou tranqüilamente a sentença do aiatolá. Em vez de isolar o Irã, o Reino Unido passou a dar proteção a Rushdie. Os demais países da comunidade se mantiveram em silêncio obsequioso. Sem atinar que não se tratava apenas de proteger um escritor perseguido. Mas de repudiar a pretensão megalômana de um padre persa, que pretendeu legislar inclusive no estrangeiro. A apostasia, ou crime, segundo os muçulmanos, havia ocorrido em Londres, com a publicação do livro. Do alto dos minaretes de Teerã, Khomeiny ordenou não só a condenação à morte – como também a execução da sentença – de Rushdie, assim como todos os implicados na publicação do livro… em território europeu ou onde quer que estes “criminosos” estivessem. Em 1991, o tradutor do livro para o japonês foi assassinado e em 1993 o editor de Rushdie na Noruega foi atacado quando saía de casa.

Só a apatia dos países europeus, na época, pode explicar a reação desmesurada dos árabes às caricaturas anódinas de um obscuro jornal do sudoeste da Dinamarca. Se as democracias ocidentais cortassem relações com o regime do aiatolá naqueles dias, provavelmente não estaríamos vendo hoje as fogueiras histéricas em toda a Europa e países muçulmanos, onde se queimam bandeiras da Dinamarca e Noruega.

Reação tardia, diga-se de passagem. As doze caricaturas de Maomé foram publicadas dia 30 de setembro do ano passado, no Jyllands-Posten, e reeditadas no 10 de janeiro passado pelo jornal norueguês Magazinet. Jornais que não circulam no mundo árabe e muito menos na Europa, mas apenas na Dinamarca e Noruega, dois países de minorias lingüísticas. A reação muçulmana revelou-se uma estratégia de jerico. As charges publicadas no jornal da Jutlândia estão hoje reproduzidas na Internet e nos principais jornais do Ocidente.

Embora uma das charges mostre a cabeça de Maomé formada por uma bomba, não é isto o que preocupa os muçulmanos. Seria absurdo protestar contra caricaturas, um recurso rotineiro do jornalismo desde priscas eras. Alegam então que a religião islâmica proíbe imagens do profeta ou de Alá. O que não passa de um esfarrapado pretexto para agredir a Europa. Iconografia sobre Maomé é o que não falta no Ocidente e inclusive no mundo árabe. Enciclopédias, livros e jornais publicaram desde sempre imagens de Maomé e só hoje, em 2006, os muçulmanos houveram por bem manifestar indignação. Hipocrisia deslavada.

Sem ir muito longe, dou dois passos até minhas estantes e apanho o Diccionario Literario Bompiani, editado em Barcelona, 1963. No segundo volume de Autores, no verbete Mahoma, há nove gravuras do profeta, na maioria da Universidade de Edimburgo, desde seu nascimento até a colocação da pedra negra na Caaba e o encontro com o arcanjo Gabriel. Estas duas últimas gravuras estão em miniaturas de manuscritos árabes. Há também uma miniatura persa do século XV, na qual Maomé monta um camelo ante sua mulher Khadigia. Ou seja, mesmo em universo muçulmano a imagem do profeta já era reproduzida. Este soberbo dicionário (15 volumes) está publicado nas principais línguas da Europa e nunca vi muçulmano algum condená-lo por blasfêmia. A julgar-se pela escalada da violência, vão acabar pedindo a proibição da Divina Comédia, onde Dante joga o profeta no oitavo círculo do Inferno, destinado aos semeadores de discórdia.

Em vez de protestar contra os jornais, os muçulmanos queimam bandeiras e embaixadas dos países envolvidos na affaire. Dirigem-se não aos jornalistas, mas aos Estados. Para um muçulmano, é óbvio que todo Estado tem controle da imprensa. Esta é a norma nas teocracias árabes, onde não há liberdade alguma de expressão. Estes senhores precisarão de mais alguns séculos para entender que, em países democráticos, a imprensa é uma instituição que limita inclusive os desmandos do Estado.

Se criticar religiões ou deuses fosse proibido no Ocidente, a Europa ainda chafurdaria nas trevas da Idade Média. O Ocidente sempre foi crítico em relação a seus deuses, e mesmo Jeová, o único, teve de ouvir poucas e boas de pensadores e poetas como Voltaire, Diderot, Guerra Junqueiro ou Nietzsche. Ainda há pouco, eu escrevia: na Europa de hoje você pode dizer o que quiser até mesmo da mãe do Cristo. Só não pode criticar Maomé.

Y a las pruebas me remito, como dizem os espanhóis. Ano passado, terminei a leitura de La Virgen María – Biografia no autorizada, do jornalista britânico Michael Jordan. Neste gordo ensaio de 400 páginas, com base nos evangelhos apócrifos, o autor sustenta a tese de que Maria teria sido uma das prostitutas sagradas. A tradução que tenho em mãos foi publicada em Barcelona e o texto original em Londres. Escândalo algum no Ocidente. Ora, na escatologia cristã Maria tem quase o status de uma deusa. Nem por isso alguém saiu a queimar embaixadas ou livros em protesto contra o autor. Imagine o leitor se alguém afirmar que Maomé seduziu e violou Zainab, a mulher de um pupilo. Ou que casou-se com Aisha, quando esta tinha nove anos.

Que a religião islâmica proíba imagens de Maomé, nada temos contra. Mas não venham estes cortadores de clitóris pretender que países não islâmicos proíbam a seus jornais, enciclopédias, bibliotecas publicar as ditas imagens. Os alaridos do mundo árabe não passam de mera farsa. Que acesso têm à imprensa habitantes de um universo majoritariamente analfabeto? Que acesso tem o mundo árabe a dois jornais da Escandinávia? A onda de protestos não passa de uma agressão planejada à Europa, fruto do ressentimento de habitantes e imigrantes do Terceiro Mundo muçulmano.

Chefes de Estado europeus estão se desmanchando em salamaleques aos árabes, pedindo desculpas pelas ofensas ao Islã. No fundo, negam – ou propositadamente esquecem – o acórdão de Handyside, reconhecido pela Corte Européia de Direitos do Homem, em 1976. Que reza: “A liberdade de expressão vale não apenas para as informações ou idéias acolhidas com favor, mas também para aquelas que ferem, chocam ou inquietam o Estado ou uma fração qualquer da população. Assim o querem o pluralismo, a tolerância e o espírito de abertura, sem o qual não existe sociedade democrática”.

Mas de nada adianta falar de democracia para brutos.


Janer Cristaldo
07 de fevereiro de 2006
Crônica Publicada em "O Supremo Apedêuta"

19 comentários:

Cavaleiro do Templo disse...

Stenio, lembra-se daquela situação com a logomarca e o nome da UNOAMERICA?

CT

Stenio Guilherme Vernasque da Silva disse...

Lembro.
Mas, justamente para evitar animosidades pedi ao Kauber evitar confrontos em pessoas que lutam no mesmo time.

Cavaleiro do Templo disse...

Stenio, jogo no time do Olavo, Graça, Heitor, Montenegro, Nivaldo, Puggina e outros.

De maneira alguma jogo no time do Klauber. E a questão não é o Mario Oliveira não, de jeito nenhum.

De novo, e sempre será assim, é chegada a hora de escolher um lado.

Pelo teu comentário no Lib já escolheu quem apoiar.

Cavaleiro do Templo

Stenio Guilherme Vernasque da Silva disse...

Perfeito!
Também sigo Heitor, Graça(que aliás frequenta este blog e trocamos e-mails as vezes - ficamos amigos virtuais após o problema com a logomarca Unoamerica.).
Fiquei do lado dela então da reunião do Inst. Millenium, e refletimos por e-mail bem à este respeito.
De longe Mario de Oliveira tem haver com isso.
Ele é fator minúsculo perto de outras idéias que trocamos de forma saudável. Mas Olavo de Carvalho não.
Nunca.
É apenas um plantador de teorias da conspiração.
No mais somos todos em prol de algo muito semelhante.
OdeC nunca!
Acho apenas que a "paixão futebolística" com que as viúvas de OdeC tem por "escolher um lado" é meio doentia...

Mas sigo todos, inclusive seu blog.
E o Libertatum me ensina muita coisa , principalmente no campo econômico.

Stenio Guilherme Vernasque da Silva disse...

Em tempo,
O lugar de pessoas como OdeC é o puro e simples Ostracismo.
Este sim é um bom local .
Vc não percebe a dissimulação nas idéias que lee finge comungar com os conservadores???
Acho que a história da vida dele nos diz tudo. Sua forma de agir, sua procupação e principalmente onde mora.
Assim fica fácil parecer um "messias da salvação moral e ética"!

Cavaleiro do Templo disse...

Sua opinião, eu evidentemente respeito.

Gostaria de saber das evidâncias que tens de que Olavo seria um plantador de teorias da conspiração, por exemplo. Poderias me dar estas informações? E de onde partiram?

CT

Stenio Guilherme Vernasque da Silva disse...

A obra dele(OdeC) e sua vida são o exemplo e falam por mim. Não vou detalhar. Já li muito (OdeC - tanto que no começo publicava muitas coisas dele do Jornal do Commercio, MSM, e do próprio site dele.org, e muita coisa simplesmente não faz sentido, afinal as vezes ele brinca de "mãe Diná" com acontecimentos que seriam óbvios na Conjuntura política de esquerda atual no Brasil.
Para vc ver:
Já fui censurado na área de comentários do Libertatum por meter o pau no OdeC.
Nem por isso me fez deixar de lado.
Entendo as razões pelas quais os blogs devem se preservar.
O que não aceito, por exemplo, é ter sido censurado no Reinaldo Azevedo e no Coturno Noturno por falar que o Serra não é solução para o Brasil.
Nestes locais não visito mais, afinal viraram sites satélites para a campanha do PSDB.
E fazer campanha pro PSDB eu tô fora.
Vc tem medo do Comunismo e dos comunistas???
Eu não. Eles já se foram. Tenho medo de Chavez, de Ortega, do Foro de São Paulo, que nada tem de Marxismo Clássico, mas sim um cópia bem mal feita de Dom Fidel. E que está prestes ao Ostracismo também (quando acontecer o OdeC não terá mais sobre o que falar), com a percepção pela "nossa esquerda" que a Economia de Mercado e a estabilização econômica é necessária.
Veja os países de governos socialistas na Europa como Grécia e Portugal, estão prestes a bancarrota. A eleição dos conservadores britânicos e o governo maravilhoso que Angela Merckel faz na Alemanha (apesar das dificuldades deixadas pela crise e pelo fato de estrem unidos pelo Euro.
É isso.

G. Salgueiro disse...

Stenio, amigo,

Você sabe o quanto lhe respeito e quero bem, mas não posso entender sua ojeriza ao Olavo do mesmo modo como fazem os comunas.
Você é inteligente, tem um blog excelente, mas está completamente equivocado a respeito do Olavo. Veja, por exemplo, que o Foro de São Paulo que seu blog combate bravamente, foi denunciado publicamente pela primeira vez pelo Olavo que, por conta disso, perdeu vários empregos em jornais.
Não sei o que você sabe da vida dele, mas garanto que, pela maneira como fala, você não conhece o verdadeiro Olavo.
Não sou "olavete", expressão chula e pejorativa, tanto a ele quanto a mim, mas digo-lhe que se meu trabalho hoje é respeitado até internacionalmente, é a ele que devo, exclusivamente, uma vez que foi ele quem me abriu as portas para um conhecimento mais profundo das coisas.
O Olavo que diz incontáveis e grosseiros palavrões em seu programa de rádio, True Outspeak, não é nem de longe a caricatura do verdadeiro mestre filósofo que possui centenas de alunos crescendo e fazendo excelentes trabalhos a partir de seus ensinamentos.
Não quero entrar em contenda com ninguém, tampouco me meter nessa história do Kaluber, mas não posso ficar calada diante de afirmações que insinuam - ou deixam dúvidas - de que o conservadorismo do Olavo é falso. Se ele hoje vive nos Estados Unidos foi para defender-se e defender sua família de ataques e até ameaças de morte, coisa que você nem faz idéia do que possa ser.
Assim, amigo, não atire pedras em quem só tem feito o bem pelo Brasil, muito mais do que todos nós juntos, pois suas (dele) análises sempre se confirmaram, não porque eram previsíveis demais, mas porque ele é um estudioso seríssimo que enxerga muito antes de todo mundo e, depois que suas advertências se concretizam, fica fácil para qualquer um apontar o óbvio.
Não me queira mal por defender o Olavo, mas faço-o por um dever de consciência e de gratidão a quem muito contribuiu para eu ser quem sou hoje.
Abração
MG

Stenio Guilherme Vernasque da Silva disse...

Amiga Graça,

Mais uma vez muito me dixa honrada com sua presença.
E vejo que foram buscar tua ajuda!
Que bom.
Sinal que nossa opnião tem algum valor.
Continuo dizendo que considero muito seu trabalho. E me espelho em seus passos.
Mas não te acho Olavete.
Gostar de um trabalho ou obra é uma coisa, mas idolatria é outra completamente diferente.
Como seria o caso das "olavetes".
Eu mesmo, como citei, me baseei no trabalho de OdeC para formar minha opnião junto ao Foro de São Paulo.
Ouvi muitos True Outspeak, e confesso que as grosseirias e os palavrões me enojam mesmo.
Mas nem toda a obra dele é perdida.
Mas acho que ele, às vezes é oportunista e se beneficia de certos "medos intrínsecos" e se baseia em idolatrias, e conceitos exagerados.
Consigo perfeitamente diferenciar seu trabalho do dele, com facilidade, pelo seu tom correto, polido, coerente, com objetivos concretos e não manutenção de paranóia coletiva.
Minha repulsa a esta fase caricata atual dele nada tem haver com esquerdopatia. E fundamentalismos são péssimos tanto vindo da Direita quanto da esquerda.
Por isso admiro o seu trabalho e que em nada se parece com o dele.
Muito obrigado pela visita.

Grande e fraterno abraço.

Cavaleiro do Templo disse...

Respeito sua opinião, evidentemente. Mas não entendo "A obra dele(OdeC) e sua vida" como exemplos desabonadores do mesmo de forma alguma, muito pelo contrário.

Só para citar um exemplo, a descrição da mente revolucionária é uma obra do Olavo. Outro: os livros dele também são uma obra dele, claro. Nada ali ou na teoria das mentes revolucionárias têm valor?

E perceba ainda o seguinte, mudando um pouco de assunto: NAQUELE blog, "Onde a Liberdade Drapeja", não tem o link do NOTALATINA. Como pode ser possível isto? No meu blog o índice de sites indicados não tem um título vultuoso, por assim dizer. Se faltar alguém (site, blog...) de peso, eu acho que é compreensível. Não tenho lá a pretensão de indicar "ONDE A LIBERDADE DRAPEJA", comecei a blogar em 2008, sou neném ainda. Entretanto, tem na lista um blog de uma pessoa absolutamente desrespeitosa (o foi comigo e outros muito mais importantes). Eu procuro nestes "detalhes" para depois formar uma idéia, uma percepção pessoal acerca das pessoas.

Digo isto pois não entendo você desabonar Olavo e abonar o dono daquele blog. Mas, como já te disse, respeito.

Irmão, tudo isto é para TODOS nós refletirmos.

Grande é a tua coragem ao permitir este debate, esta troca de idéias aqui.

Abraços

CT

Stenio Guilherme Vernasque da Silva disse...

Amigo Cavaleiro,

O prazer é imenso em poder manter um debate saudável neste espaço.
É uma honra, ainda mais colocando e filtrando o assunto como vc e a Graça o fazem.
E reafirmo.
Aprendo muito todos os dias.
É isso que me impulsiona continuar.
O apreço que tenho por todos vcs é imperativo, pois este aprendizado se faz de forma salutar.
Jamais deixarei isso acabar.
Apenas diminui os posts que elaboro, para fazer "um clipping" de artigos dos jornalões e dos blogs parceiros.
Opnião é particular de cada um, basta nos respeitarmos.
Temos muito mais diferenças se colocarmos mais fichas na mesa, mas isso não impede de objetivarmos um Brsil livre de comunas, com Liberalismo econômico e com uma sociedade baseada em valores éticos e morais e a defesa da civilização ocidental.
A mentalidade revolucionária é debatida há séculos, talvez OdeC apenas transformou em texto organizado.
Remetemos então à revolução Francesa e o desastre do Terror, da ditadura e do lema indesejável.
Como disse. Usei e abusei muito da obra de OdeC que é rica, mas debater com ele hj em dia é pedir para que: ou concordamos e idolatramos ele ou vamos levar insultos e palvrões na cabeça.
Longe de mim ser algo sequer semelhante a um filósofo.
Mas Sou leitor do Professor Moderno da ABF, e estudo a Filosofia do Estado democrático de Direito, impulsionado por Alejandro Peña Esclusa (grande homem).
Mas ainda tenho muito a aprender à respeito, afinal sou um simples médico tentando entender o pensamento socio-político da América Latina em detrimento `Pa destruição da civilização ocidental.

Grande abraço.

Cavaleiro do Templo disse...

Stenio, meu irmão, a obra do Olavo, três e-mails atrás, era isto:

"É (Olavo) apenas um plantador de teorias da conspiração."

Agora (a obra de um homem, Olavo) é isto:

"da obra de OdeC que é rica".

Reflita bem, te quero bem. Veja como está expondo seus pensamentos, o atropelo das coisas, por assim dizer. "Mudar" tanto em apenas poucas horas não é normal.

Abraços

CT

Stenio Guilherme Vernasque da Silva disse...

Rapaz...
Eu tentando eufemizar,
e vc tentando polemizar.
Aí eu surgiro outro tipo de abordagem.
Desta forma o debate fica provocativo ipsis literis a esquerdopatia.
Isso tem nome: Proselitismo (isso mesmo aquele tanto usado na esquerda), onde se apegam a detalhes, fugindo ao essencial do debate.
Vou resumir:
OdeC foi importante para os estudo do Foro de São Paulo no início, tanto que publiquei muitos artigos.
O resto é extremamente duvidoso e paranóico.
Fundamentalismos à parte não gosto deste tom. Afinal vc quer descaracterizar minha fala, sendo que estou pondo "panos quentes".
Não gosto de Olavo de Carvalho, não acredito que sua contribuição para a formação filosófoca de muitas pessoas seja tão útil quando se acha.
E que a relação de idolatria com ele beira o doentio mesmo, afinal se não for assim ele xinga e insulta, típico de quem se acha domno da verdade.
É isso então:
Nota "quase zero" para este Sr "Filósofo".
Não acredito em ameaças de morte que levem alguém a morar nos EUA...
Mas ele pode dizer o que quiser, afinal tem algumas pessoas que ainda ouvem.
Infelizmente.
Temos filósofos muito mais completos , como por exemplo o Prof Moderno, que organizou um dos eventos Unoamérica em conjunto com nossa amiga Graça Salgueiro, de forma brilhante.
OdeC não dá.
Eu tentei eufemizar o assunto para evitar confrontos rudes, mas vc polemizou.
Sinto muito então!

Cavaleiro do Templo disse...

Tudo bem, deixemos assim. São as suas palavras que usei, mas deixemos morrer o assunto?

CT

Stenio Guilherme Vernasque da Silva disse...

Se for sobre Olavo de Carvalho já tá morto e enterrado; e lá nos EUA de preferência. Não faz a menor falta inclusive. Afinal o Ostracismo cada vez mais o engole...
Tentei ser eufemista sobre este "filósofo", para esfriar o calor do debate. Mas cada um na sua. Lei a minha postagem que acabei de publicar, fresquinha, vale à pena!

abraços


Quanto ao blog "Libertatum", se me associar a figura espetacular do Kauber para vc é desabono....
Para mim a honra é a mesma de acessar o "Notalatina", ou o "Papéis Avulsos".
Sou admirador de ambos e assim será.

Stenio Guilherme Vernasque da Silva disse...

Tá virando debate de "oppus dei".
rsrsrsrsrs
Cruz , Credo!

G. Salgueiro disse...

Stenio, amigo,

Não quero prolongar esta conversa, até porque não disponho de tempo para isso. Entretanto, preciso corrigi-lo em algumas afirmações, porque elas não procedem.
1. Eu não vim aqui "dar apoio" a ninguém; vim, porque como o seu blog consta dos meus favoritos, li o título do artigo acima e resolvi vir ao blog lê-lo, quando dei de cara com os comentários. (Sempre gosto de ler o que as pessoas comentam, não apenas nos meus blogs);
2. Alguns comentários acima você afirmou: Vc tem medo do Comunismo e dos comunistas???
Eu não. Eles já se foram. Tenho medo de Chavez, de Ortega, do Foro de São Paulo, que nada tem de Marxismo Clássico
. Os comunistas já se foram, Stenio? Para onde? E o que são Chávez, Ortega e o Foro de São Paulo, senão a expressão mais perfeita e acabada do comunismo latino-americano? Sem querer ofender, mas acho que você precisa estudar mais sobre o assunto...
3. Quanto ao Moderno, ele pode ser considerado, no máximo, um professor de filosofia, apesar de seus incontáveis títulos que pra mim não significam nada; o que importa sim, é o conhecimento provado e o conjunto da obra do indivíduo. Com relação ao evento de UnoAmérica, se foi sucesso não foi por causa do Moderno, pois ele foi muito gentil e prestativo mas o evento não era sobre filosofia, e apesar dele ter feito duas palestras, o fez porque era o patrocinador do evento mas não tinham nada a ver com o tema apresentado por mim e pelo Alejandro;
4. E, finalmente, você questiona as ameaças de morte do Olavo. Veja, você tem todo o legítimo direito de gostar ou não gostar de qualquer pessoa, inclusive do Olavo, mas não fale do que desconhece. Eu sou amiga não só do Olavo mas de toda a família dele, incluindo mãe dele e da esposa; sou amiga de dentro de casa e conheço a vida dele de trás pra frente. Acompanhei as aflições das ameaças feitas - mais de uma vez - quando numa delas solicitei ajuda de uma amiga que providenciou escolta policial numa aula que ele precisava dar na UniverCidade, do Rio. Portanto, AFIRMO que isto não é basófia, mentira.
No mais, encerro aqui minha participação, que só entrei no debate por apego à verdade.
Grande abraço,
MG

Stenio Guilherme Vernasque da Silva disse...

ok.
Registrado!

Stenio Guilherme Vernasque da Silva disse...

Pelo visto não sou só eu quem precisa "estudar mais"!
Aliás este argumento é sempre repetido na falta de algo a se falar ou explicar e no excesso de grosserias.
Bem típica da turma do IMBECIL COLETIVO DE OdeC!