terça-feira, 1 de junho de 2010

Israel diz que condenação da ONU a ataque é hipócrita


JERUSALÉM - Israel tachou de "hipócrita" a condenação do Conselho de Segurança da ONU aos atos violentos que deixaram pelo menos nove mortes e causaram ferimentos em dezenas de pessoas no ataque israelense à frota internacional que levava ajuda humanitária a Gaza.

A condenação da ONU é "precipitada, sequer houve um tempo de reflexão para considerar todos os fatos", disse à agência Efe Yigal Palmor, porta-voz do Ministério de Exteriores israelense.

"Esta condenação constitui um gesto automático baseado unicamente em determinadas imagens televisivas e não em um conhecimento dos fatos, além de uma dose impressionante de hipocrisia", acrescentou Palmor.

O porta-voz israelense explicou que cerca de 50 passageiros dos navios se identificaram e estão no aeroporto de Ben Gurion, próximo a Tel Aviv, à espera de um voo para seus países de origem, enquanto os que se negam a dar informações foram levados à prisão de Bersheva.

Em respeito às queixas pela falta de informação sobre a identidade das nove pessoas mortas durante o ataque, que aconteceu na madrugada de segunda-feira em águas internacionais, Palmor afirma que o maior problema é a intransigência da maioria dos detidos, que se nega a identificá-los.

"Como vamos saber a nacionalidade dos mortos se não temos alguma pessoa para os identificar? É muito difícil identificar alguém morto, que não pode responder, quando seus amigos se negam a dar qualquer informação", declarou.

Palmor acrescentou que os cônsules dos países dos ativistas que se identificaram foram informados e tiveram acesso a eles.

O porta-voz lamentou o efeito que o incidente de ontem terá na imagem exterior de Israel.

"Explicar de forma detalhada tudo o que aconteceu é muito difícil, a imprensa e as pessoas só veem o resultado e não conhecem as circunstâncias e isto afeta a imagem (do país)", lamentou.

O Conselho de Segurança da ONU pediu a realização de uma investigação imparcial e credível dos fatos e condenou os "atos de força" que provocaram mortes e deixaram feridos, mas evitou condenar Israel de forma aberta.

Os membros do Conselho de Segurança negociaram durante quase 13 horas a fórmula para expressar sua preocupação perante a gravidade da operação militar israelense, que foi criticada com dureza pela comunidade internacional, e foi aprovada aprovaram uma declaração presidencial, que tem uma categoria inferior à resolução de condenação solicitada por turcos, palestinos e países árabes.




Estadão

Nenhum comentário: