sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Começa movimento para ocupar o Complexo do Alemão


da Veja.com

A movimentação de policiais nos acessos ao Complexo do Alemão, local onde estão concentrados os bandidos que fugiram da Vila Cruzeiro, começou pouco depois das 10 horas desta sexta-feira. O movimento é semelhante ao que precedeu, na quinta-feira, a fuga em massa dos bandidos, amedrontados com a presença de veículos blindados da Marinha e do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope). Neste momento, homens do 16º BPM (Olaria), ocupam as entradas do Alemão.

A estimativa é de que entre 900 e 1.000 traficantes armados estejam entrincheirados no Alemão. Pela manhã, a movimentação de viaturas da Polícia Militar é intensa nas vias que dão acesso ao bairro da Penha.

No momento em que o helicóptero blindado da Polícia Civil sobrevoou o Alemão, foram ouvidos muitos disparos. Pouco antes do meio-dia, duas aeronaves faziam voos rasantes no local.

Cercar o Alemão vai exigir um efetivo bem maior que o que foi mobilizado para a quinta-feira, no Complexo da Penha – no qual está inserida a Vila Cruzeiro. Com grande variedade de acessos e saída para vários bairros, o Alemão é considerado, há pelo menos 10 anos, o local de maior dificuldade para a polícia.

A expectativa é de que os reforços de militares da Forças Armadas sirvam para cercar as áreas do entorno, enquanto os policiais do Bope, considerados os mais experientes em incursões em áreas urbanas, situações com reféns e confrontos em favelas, devem comandar a movimentação dentro das vielas.

À medida que avança a operação da polícia, aumenta a necessidade de policiais no local. Boa parte dos homens empregados ontem estão encarregados de mapear a Vila Cruzeiro e tomar pontos estratégicos – principalmente, para evitar um possível retorno de bandidos, a partir do momento em que as forças policiais entrarem no Complexo do Alemão.

Para decidir qual será a participação das forças federais na ação, a partir de agora, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, vai se reunir com o governador Sérgio Cabral à tarde.
O coronel Lima Castro, relações públicas da PM, informou agora há pouco que 21 mil policiais estão envolvidos na segurança só na região metropolitana. “Não há prejuízo para outras regiões. Todos os batalhões do estado estão com folgas suspensas e mobilizados para esta operação”, disse.

Espaço aéreo fechado – O festival de imagens ao vivo, promovido pelas redes Globo e Record ao longo da tarde de quinta-feira, dificilmente se repetirá hoje. O espaço aéreo de toda a zona norte foi fechado a pedido do governo do estado. Dentro do Bope e em setores da polícia civil, a transmissão em tempo real da movimentação da polícia e da fuga dos bandidos foi entendida como um “desserviço” das emissoras.

Outro ator importante entrará em cena nas operações de hoje. O helicóptero blindado da Polícia Civil, que estava em manutenção para substituição de uma peça, está liberado para operar. O ‘caveirão do ar’, como é chamado, é indispensável para operações desse tipo, pois mostra – mas só para os policiais – o que toda a população acompanhou ontem pela TV.

(Cecília Ritto, do Rio de Janeiro)

No blog VEJA Acompanha, outras notícias sobre a onda de terror no Rio.

Nenhum comentário: